Arsenal e laboratório de droga é descoberto em Trindade

Suspeito alegou ser “atirador esportivo” durante a abordagem policial da PM

Postado em: 25-07-2022 às 07h54
Por: Sabrina Vilela
Suspeito alegou ser “atirador esportivo” durante a abordagem policial da PM | Foto: Reprodução

Durante uma abordagem de policiais militares de Goiás em Trindade, região metropolitana, foi descoberto um arsenal de armas e um laboratório de refino de cocaína na última quinta-feira,21. O suspeito é Matheus Pereira da Silva,26, que havia alegado ser “atirador esportivo”. Foi encontrado uma pistola 9 milímetros. Matheus afirmou que era Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC) e chegou até a mostrar o documento da arma junto ao Exército, órgão responsável por conceder os registros de CAC.

Um dos policiais responsáveis pelo caso, o Tenente-Coronel Alex Neves, do Grupamento de Intervenção Rápida Ostensiva (Giro), afirma que a preocupação foi com relação a munição encontrada no veículo do suspeito. “A priori, ele poderia ser liberado, porque a pistola estava registrada, tudo certo. Só que nossos policiais continuaram as buscas e encontraram munição de fuzil, que ele não tinha autorização para portar”, relata o tenente – coronel. 

 Apreensões

Na casa de Matheus foram encontrados quatro quilos de pasta-base de cocaína e nove quilos de droga que seria já pronta para consumo. Segundo informações apuradas pelo UOL, os policiais militares encontraram ainda dois fuzis – um deles, AR-15 – envolvidos em um lençol na casa do suspeito, duas espingardas semiautomáticas, duas carabinas e duas pistolas com kit de rajada – nenhuma com numeração raspada. No total 500 munições foram apreendidas e mais algumas que estavam em embalagens lacradas pertencentes a Companhia Brasileira de Cartuchos. Até o momento não se sabe se foram adquiridas de forma legal. Todo o material apreendido foi avaliado em mais de R$ 1 milhão.

Continua após a publicidade

De acordo com o portal, O UOL, foi enviado os dados para o Exército, no entanto não confirmou se são armas legais de CAC. A PM-GO acredita que o arsenal seja contrabandeado. 

Após a blitz os materiais apreendidos foram levados para perícia. Segundo informações iniciais, o arsenal e o laboratório de drogas pertenciam à facção criminosa  que atua em Goiás, “Amigos do Estado”. Matheus Pereira foi preso em flagrante e afirmou que recebia em média R$ 15 mil por mês. O dinheiro seria como pagamento para guardar os itens e fazer a entrega das drogas.

Acesso a armas facilitado

O caso no município de Trindade não foi isolado. Na semana anterior, um membro do Primeiro Comando da Capital (PCC ) foi preso por portar armas com registro do Exército, na cidade de Uberaba, Minas Gerais. O que chama a atenção é o suspeito ter conseguido as armas apesar de extensa ficha criminal. Mais um episódio foi exibido no Rio de Janeiro no início do ano. Um colecionador era suspeito de vender um arsenal para traficantes do Comando Vermelho. Foram encontrados e apreendidos 26 fuzis, 21 pistolas, três carabinas, dois revólveres, uma espingarda, um rifle e um mosquetão.

O problema detectado é o fato da base de dados do Exército com informações do CAC não estarem interligadas com sistemas policiais. Isso faz com que dificulte o acesso a informações de registro e o processo de verificação da autenticidade de documentos. A deficiência também ocorre também na Polícia Civil e na Polícia Rodoviária Federal. O acesso facilitado de armas no país é fruto de um decreto aprovado pelo presidente da república. A lei permitiu a ampliação da quantidade de armamento e calibre permitido para CAC.

Veja Também