Suspeito de tentar matar servente de pedreiro em Catalão é preso pelo Polícia Civil

Relatório médico obtidos pela PCGO mostrou que o rapaz agredido teve diversos ossos do rosto fraturados devido as agressões.

Postado em: 10-08-2022 às 15h00
Por: Ícaro Gonçalves
Relatório médico obtidos pela PCGO mostrou que o rapaz agredido teve diversos ossos do rosto fraturados devido as agressões | Foto: Divulgação

Um homem de 24 anos foi preso pela Polícia Civil de Goiás (PCGO) nesta terça-feira (9/8), suspeito de tentar matar um servente de pedreiro na cidade de Catalão. O crime ocorreu na madrugada do dia 4, no pátio de um posto de combustíveis no bairro São João da cidade. Ambos não tiveram suas identidades reveladas.

Segundo apurado pelos policiais, o investigado e a vítima, também de 24 anos, já tinham desavenças antes do crime, sendo o preso suspeito de ser traficante de drogas. No dia em questão, antes de seu encontro com o suspeito, a vítima teria avisado a polícia sobre a presença dele no posto de gasolina.

Ao saber da denúncia, assim que se encontraram o suspeito iniciou uma série de agressões físicas com socos e chutes no rosto e cabeça do servente de pedreiro que, após ser socorrida, foi internada às pressas e submetida à cirurgia de emergência para reconstrução de alguns ossos da face.

Continua após a publicidade

Relatórios médicos obtidos pela PCGO mostram que o rapaz agredido teve diversos ossos da face fraturados em decorrência das agressões.

Não satisfeito, logo após as agressões, o suspeito ainda filmou a vítima ensanguentada enquanto, debocha dela, divulgando o vídeo que circulou em redes sociais e grupos do aplicativo de mensagens.

Prisão

Após investigação inicial e recolhimento de provas, a Polícia Civil representou pela prisão preventiva do suspeito, que foi deferida pelo Poder Judiciário e cumprida na tarde de terça. O homem foi conduzido à sede do GENARC/9ª DRP, onde foi interrogado.

No momento, o suspeito está em presídio de Catalão, à disposição da Justiça para responder pelo crime de tentativa de homicídio, cuja pena prevista é de 6 a 20 anos de reclusão.

Leia também: Caso Valério Luiz: Polícia Civil faz buscas em residência de jurado que interrompeu o julgamento

Veja Também