Pirenópolis fica sem enchente com obra de drenagem

Em 2015, até um carro foi arrastado pela força da água. Moradores afirmam que a água alcançava altura de até 1,5 metro nos dias de temporais mais intensos

Postado em: 21-04-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Em 2015, até um carro foi arrastado pela força da água. Moradores afirmam que a água alcançava altura de até 1,5 metro nos dias de temporais mais intensos

O período de chuvas está chegando ao fim em 2018 e, nesse ano, os pirenopolinos tem motivos para comemorar. Na cidade, uma obra de drenagem urbana deu solução a um antigo problema da Rua Santa Bárbara, no Centro Histórico.

Por décadas, moradores da Rua Santa Bárbara e imediações conviveram com fortes inundações. Sem um sistema de drenagem, o volume de água das chuvas de alguns bairros descia para o logradouro sem ter como escoar. Em 2015, até um carro foi arrastado pela força da água. Moradores afirmam que a água alcançava altura de até 1,5 metro nos dias de temporais mais intensos. Morador do local há mais de 30 anos, Gilmar Gonzaga, de 53 anos, conviveu com o problema por décadas. “Teve um ano, inclusive, que nós tivemos que salvar um vizinho idoso. Porque a água subiu demais”, lembra.

Continua após a publicidade

As águas das chuvas não geraram alagamento na região em razão da obra de infraestrutura realizadas em 2017 pelo Quinta Santa Bárbara Eco Resort. Foram instaladas ao longo da via vários conjuntos de bocas de lobo, distribuídos em quatro pontos de captação, para dar vazão à enxurrada gerada pelas chuvas. Além disso, a equipe de engenharia construiu cerca de 450 metros de galerias pluviais. Foram utilizadas manilhas com diâmetros de 1 metro e 1,2 metro. O investimento total para construção do sistema de galerias pluviais foi de aproximadamente R$ 2 milhões.

Após ser coletada nas bocas de lobo, a água agora desce pela galeria até desembocar em uma bacia de gabião com (paredes feitas de pedras presas por uma tela de aço). A estrutura de recebimento dessas enxurradas tem ainda uma sequência de degraus que visam amortecer a velocidade da água para que esta alcance o Córrego da Prata sem causar nenhum prejuízo ambiental as áreas envolvidas.

“Nós fizemos um levantamento topográfico e também pesquisamos o volume de chuvas dos últimos 20 anos para dimensionar a infraestrutura, para que o trabalho realmente alcançasse o resultado esperado”, afirma o engenheiro civil Hullian Chaves.

“Ficou ótimo!” Este foi o veredito de Jaci Pereira, de 70 anos, moradora há 40 anos da Rua Santa Bárbara, no Bairro Alto do Bonfim em Pirenópolis, sobre as obras que acabaram com o histórico de enchentes e alagamentos naquela via.  “A enchente acabou. Quando eu vi os engenheiros eu não acreditei que pudessem resolver’. Mas solucionou de vez, foi muito bom, foi ótimo”, diz a Jaci, que é gerente de uma pousada na cidade histórica.

Prefeito de Pirenópolis, João do Léo, reconhece que o município ainda tem desafios a serem enfrentados na drenagem urbana, com várias ruas sem galerias de coleta de água. Para ele, o investimento do Quinta Santa Bárbara é motivo de agradecimento. “Quem ganhou com isso foi a comunidade, e eu, na qualidade de prefeito, só tenho que agradecer o benefício em prol dos moradores”, avalia o mandatário municipal. (Deivid Souza, especial para O Hoje)  

Veja Também