Itaipu Binacional terá cerca de US$ 1 bi por ano para investir

“As decisões são sempre em consenso e temos uma relação amadurecida ao longo dos anos”, garantiu o novo diretor, Marcos Stamm

Postado em: 27-04-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
“As decisões são sempre em consenso e temos uma relação amadurecida ao longo dos anos”, garantiu o novo diretor, Marcos Stamm

Recém-empossado como o novo diretor-geral da Itaipu Binacional pela cota brasileira do tratado celebrado entre Brasil e Paraguai, Marcos Stamm não acredita em mudanças administrativas nem na mudança de relacionamento com os sócios paraguaios após a eleição, no último domingo, do novo presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez. “As decisões são sempre em consenso e temos uma relação amadurecida ao longo dos anos”, garantiu Stamm.

Mario Benitez – conhecido pelos vizinhos paraguaios como Marito – foi eleito pelo partido conservador Colorado e é tido pelos analistas internacionais como alinhado aos ideais e aliados do antigo presidente Alfredo Stroessner. 

Continua após a publicidade

Marcos Stamm também informou que os dois países já têm estudos a respeito de um dos anexos do Tratado de Itaipu – que define as bases financeiras e de prestação dos serviços de eletricidade – ocasião em que a dívida assumida para a construção da hidrelétrica deverá estar quitada. De acordo com o novo diretor-geral, a dívida atualmente é de US$ 8,2 bilhões, o que significa que Itaipu reserva cerca de US$ 170 milhões para honrar estes compromissos. Com o fim da dívida, se for mantida a atual base tarifária, cada margem da usina, brasileira e paraguaia, terá US$ 1 bilhão por ano a mais, a partir do ano de 2023. 

Marcos Stamm assumiu semana passada a direção geral de Itaipu após 13 meses como diretor financeiro executivo da Usina. (Heraldo Leite) 

Veja Também