Parque adia abertura novamente

Previsto para voltar a funcionar no final de março, e posteriormente abril, entrega foi adiada mais uma vez

Postado em: 30-04-2018 às 08h00
Por: Sheyla Sousa
Previsto para voltar a funcionar no final de março, e posteriormente abril, entrega foi adiada mais uma vez

*Gabriel Araújo 

O Parque Mutirama, que foi fechado em julho do ano passado após um acidente que deixou 13 pessoas feridas, não tem data definida para reabrir para a população goiana. Previsto para voltar a funcionar no final de março, posteriormente abril foi adiado novamente. Na época esperada para a primeira abertura, a assessoria do parque informou que os brinquedos ainda estavam sendo vistoriados e ainda aguardavam a liberação da empresa responsável pela segurança das atrações.

Conforme informado pelo gestor do espaço, Frank Fraga, não existe uma data definida para a reabertura no momento. “Estamos trabalhando da melhor forma que podemos, com uma força tarefa para resolver todos os problemas. Tivemos duas questões pontuais nas últimas semanas, uma em relação ao trilho e outra aos carrinhos bate-bate, mas esperamos resolver isso da melhor maneira para levar segurança para os usuários”, contou.

Continua após a publicidade

Contrato

A empresa responsável pelo levantamento dos brinquedos é a Belle Engenharia, que segundo a Prefeitura de Goiânia, fechou um contrato em 31 de janeiro de 2018, com valor firmado em R$ 298 mil. De acordo com o Parque, o contrato tem validade de 60 dias, mas pode ser prorrogado no final do prazo.

Segundo informado, a empresa contratada é responsável pela produção dos laudos de funcionamento dos brinquedos, além do acompanhamento da manutenção e de produzir os manuais de funcionamento que serão usados no treinamento dos novos funcionários. A empresa deve ainda atesta a segurança junto a órgãos como o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (CREA-GO), a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros.

Em um documento de mais de 300 páginas que O Hoje teve acesso com exclusividade, é mostrado o processo de contratação da empresa gaucha. Nele fica definido que a empresa geraria laudos técnicos de cada uma das atrações e também seria responsável pela garantia de funcionamento dos brinquedos.

A adaptação para pessoas com necessidades especiais foi um dos pontos apontados pela empresa contratada. “Vamos fazer adaptações, até em termos de segurança para cadeirantes. Alguns brinquedos serão adaptados, com sitos de segurança e controladores de movimentação.”, informou a assessoria. (Gabriel Araújo é estagiário do jornal O Hoje sob orientação do editor de Cidades Rhudy Crysthian). 

Veja Também