Prefeitura revitaliza iluminação da Rua do Lazer, no Centro

Iniciativa se tornou necessária após roubo da fiação elétrica, lâmpadas e reatores

Postado em: 10-05-2018 às 16h40
Por: Lucas de Godoi
Iniciativa se tornou necessária após roubo da fiação elétrica, lâmpadas e reatores

Foto: Reprodução

* Bárbara Luiza

A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) revitalizou estrutura elétrica da Rua do Lazer, no Centro da cidade, após furto. Para tanto, foram utilizados 380 metros de cabos, além de novas lâmpadas e reatores. Conhecido por ser um dos palcos do Chorinho, o local é um trecho da Rua 8 situado entre a Avenida Anhanguera e Rua 3. 

Continua após a publicidade

Para auxiliar o equipamento a garantir boa iluminação, a Prefeitura realizou poda das árvores locais e pintou os postes novamente. A cor utilizada foi ouro envelhecido, a fim de manter a característica art decó colonial do setor. Segundo o site da entidade, a Comurg varre e coleta o lixo da rua diariamente.

Projeto

A ação pode integrar plano governamental de valorização dos pontos turísticos e culturais de Goiânia, por meio de urbanização e trabalhos de infraestrutura. No dia 26 de março desse ano, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima) apresentou projeto de revitalização do Centro ao prefeito Iris Rezende. Entregue pelo secretário Hwaskar Fagundes, o documento propõe ações conjuntas entre o Governo de Goiás e a Prefeitura para incentivar comércio e reformar a identidade visual do setor, tão importante para a cidade.

Com o nome “Vem pro Centro”, as recomendações apresentam viés econômico, fiscal, promocional e legal. Uma das propostas é a isenção total do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para comércios 24 horas na Rua do Lazer e a redução do valor desse tributo para imóveis de toda a região central. Além disso, a Secima recomenda intensificação do policiamento, incentivos fiscais para novas edificações, facilitação de instalação temporária de comerciantes informais em imóveis desocupados, integração dos pólos de vestuário, valorização do patrimônio histórico e muitos outros. Entretanto, até o momento o prefeito não se manifestou sobre o plano. A justificativa apresentada é de que o órgão de gestão pública passa por dificuldades financeiras e avaliará detalhadamente os impactos econômicos da medida antes de dar resposta.

*Bárbara Luiza é integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob supervisão de Naiara Gonçalves

 

Veja Também