Salários de colaboradores públicos do município serão pagos dentro do mês trabalhado

Remuneração do funcionalismo público municipal injeta mais de R$ 200 milhões na economia| Foto: Divulgação

Postado em: 10-01-2020 às 09h15
Por: Redação
Remuneração do funcionalismo público municipal injeta mais de R$ 200 milhões na economia| Foto: Divulgação

Da Redação

A Prefeitura de Goiânia informa que vai antecipar o pagamento da remuneração dos servidores públicos em 2020. Calendário formulado pela Secretaria Municipal de Finanças (Sefin) prevê  que ao longo deste ano os salários dos quase 50 mil servidores públicos do município serão creditados no último dia útil do mês. 

De acordo com a Lei Orgânica do Município de Goiânia, a quitação da folha de pagamento de pessoal ativo e inativo deve ocorrer até o dia 05 do mês subsequente ao vencido. No entanto, desde fevereiro do ano passado o pagamento ocorre dentro do mês trabalhado.

Continua após a publicidade

“O pagamento da folha sempre foi uma prioridade para mim. Tanto é que, apesar dos cenários adversos aqui no Município e no país, não atrasamos um só dia os salários. Depois de arrumar a casa, podemos voltar a adiantar as remunerações, algo bom para os servidores, ainda mais em um momento onde tantas administrações sequer conseguem pagar a folha; bom para a economia da cidade e um símbolo importante de novos tempos para Goiânia”, afirma o prefeito Iris Rezende. 

O cronograma também antecipa que os salários referentes ao mês de dezembro serão pagos no dia 23, portanto, 13 antes do prazo estabelecido no artigo 30 da Lei Orgânica e oito dias antes do final do mês. O pagamento dos salários no último dia útil foi uma medida implantada pelo próprio Iris no mandato 2005-2010.

Todos os meses, a remuneração dos servidores públicos injeta mais de R$ 200 milhões na economia. Segundo a Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, as despesas com pessoal e encargos sociais devem somar R$ 2,9 bilhões este ano. A última prestação de contas realizada pelo prefeito Iris Rezende, em setembro do ano passado, aponta que a despesa com pessoal representa atualmente 44,90% da Receita Corrente Líquida (RCL). 

O percentual é inferior ao que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que considera 51,30% de comprometimento como limite prudencial e 54% como máximo. Esse percentual deve ser mantido nos dados que serão apresentados em fevereiro, quando ocorre a próxima prestação de contas ao legislativo goianiense. 

Veja Também