Quatro goianos alcançam nota mil no ENEM

Ao todo, 53 participantes atingiram nota máxima no país

Postado em: 21-01-2020 às 20h00
Por: Sheyla Sousa
Ao todo, 53 participantes atingiram nota máxima no país

Daniell Alves

Tirar nota mil da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é o sonho de qualquer estudante que deseja estudar em uma universidade pública. Em Goiás, apenas quatro alunos conseguiram alcançar a nota máxima na redação. Os resultados são do Ministério da Educação (MEC) e são praticamente iguais aos obtidos no Exame anterior. Aluno nota mil conta como se preparou para conseguir atingir o resultado.

Quem não esperava pela nota mil foi o aluno Augusto Fernandes Scapini, de 17 anos, do Colégio Visão, em Goiânia. “No dia 17, quando saiu a nota, minha mãe me acordou para ver no site, mas eu não estava muito confiante. Fiquei muito emocionado quando vi que tinha tirado mil na redação até porque é uma coisa muito difícil”, conta ele.

Continua após a publicidade

“No começo foi um desafio, pois foi um tema completamente inesperado, comparado aos temas das provas anteriores. Mas lendo os textos motivadores e lembrando de todos os métodos de escrita e conhecimentos adquiridos durante meu ensino médio, consegui desenvolver uma argumentação coerente com esse tema de grande importância para a sociedade brasileira no contexto atual”, diz.

O estudante está entre os 53 alunos em todo o Brasil com nota máxima na redação do Enem. A média de alunos com essa nota, em comparação ao ano passado, segue sendo a mesma – o Exame de 2018 teve apenas 55 alunos que tiraram a nota mil. Augusto conta, ainda, que fazia uma ou duas redações por semana e sempre que não recebia uma nota máxima já ia participar dos plantões de dúvidas.

Ele relembra o momento em que foi fazer a prova do Enem e leu o tema. “Então, quando eu vi o tema fiquei bastante assustado porque eu não tinha nenhum conhecimento sobre. Utilizei uma técnica chamada brainstorming, que o aluno anota tudo que vem à cabeça sobre aquele assunto”, explica. Com essa e outras técnicas aprendidas ao longo dos estudos, Augusto conseguiu o que queria.

Agora, ele pretende fazer o curso de relações internacionais. “A primeira coisa que eu aconselho é ter um caderno separado para anotar as citações, teorias de outras áreas do conhecimento e tudo aquilo relacionado à cultura. Tudo isso pode ser utilizado para argumentar e embasar a redação”, explica o estudante.

Estrutura do texto

Outro método significativo, destaca, é ter noção da estrutura de correção do Enem, da grade e o que é permitido pelo MEC. Também é o que explica o professor de Linguagens e Redação, Adhemar Nogueira. “Desde o primeiro ano do ensino médio, os alunos precisam aprender a questão estrutural de texto e língua. Eu incentivo a leitura, a escrita e, além de tudo, ver séries e filmes”, diz.

Tudo isso contribui com a formação sociocultural dos estudantes, explica o professor. “Esse conhecimento adquirido pode ser devolvido em forma de texto. Também é importante, além da estrutura, que esses alunos sejam treinados emocionalmente para conseguir redigir um texto com coesão e coerência. Assim, a redação já sai naturalmente”, destaca.

Educação falha

Mais de 169 mil estudantes goianos se inscreveram para o Enem no último ano. Com relação ao número pequeno de alunos que tiveram nota máxima, o professor diz que é reflexo de uma educação falha. “A minha recomendação para os estudantes, de uma maneira geral, é que procurem ler as redações exemplares”. Segundo o professor, a partir dessas leituras vai ser possível perceber e entender quais são os critérios para fazer um bom texto.

Em 2019 o tema da redação do Enem foi a “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. “É preciso valorizar as aulas de gramática. Os alunos devem procurar assistir aulas que falem sobre a estrutura do texto e tentar formas diferentes de escrever. Uma alternativa é ver filmes para adquirir mais conhecimento”, diz.

Enem será digital a partir de 2020

O MEC anunciou que o Enem terá aplicação digital a partir deste ano. No primeiro ano da novidade, a aplicação ocorrerá em modelo piloto. A implantação do Enem Digital será progressiva, com previsão de consolidação em 2026. As primeiras aplicações digitais serão opcionais. “Os participantes poderão escolher, no ato de inscrição, pela aplicação piloto no modelo digital ou pela tradicional prova em papel. No primeiro ano de teste, o modelo digital será aplicado para 50 mil pessoas em 15 capitais do país”, informou o presidente do Inep, Alexandre Lopes. (Daniell Alves é estagiário do Jornal O Hoje sob orientação do editor de Cidades Rhudy Crysthian)

Inep diz que erros na correção do Enem foram revistos

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, informou que os erros de correção da prova foram revistos. Segundo o Inep, as notas revisadas estão disponíveis na página do candidato.

O anúncio foi feito pelo presidente do Inep, Alexandre Lopes, no início da noite de segunda (20), em entrevista coletiva, para divulgar os resultados do trabalho realizado pela força-tarefa criada para resolver o problema. De acordo com Lopes, 5.974 participantes tiveram notas com inconsistências – o número representa 0,15% do total de participantes (3,9 milhões).

Lopes disse que, durante o trabalho da força-tarefa, todas as notas dos alunos que fizeram as provas foram analisadas para resolver os problemas encontrados e buscar novas inconsistências que poderiam aparecer. “Nós analisamos todos os alunos. A gente fez esses tipos de correlações para orientar a busca, para ver se a gente encontrava outras inconsistências”, explicou.

O presidente do Inep informou que a gráfica responsável pela prova deverá prestar esclarecimentos sobre as falhas ocorridas. “O erro estava na associação. Que tipo de erros que aconteceram na gráfica, que geraram essa diferença de associação, eu não sei dizer”, afirmou Lopes.

Sisu

Mais cedo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, tinha anunciado que o prazo para inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foi ampliado em dois dias.

As inscrições começam ontem (21) e terminam domingo (26). Antes da prorrogação, o prazo se encerraria na sexta-feira (24). O Sisu oferece vagas em universidadaes federais com base nas notas obtidas no Enem.

No sábado (18), o presidente do Inep explicou que o erro foi provocado pela gráfica responsável da prova. A falha foi percebida após alguns alunos relatarem nas redes sociais terem sido surpreendidos com notas baixas na segunda prova do exame, realizado no ano passado, cujos resultados foram divulgados na sexta-feira (17).

A equipe técnica do instituto identificou que se tratava de inconsistência na transmissão de dados que a gráfica envia ao Inep para processamento das notas. A ocorrência gera contradições na associação entre o participante e a cor de sua prova. Dessa forma, o gabarito usado para a correção não era da cor da prova feita pelo aluno, fato que provocou o erro. (Agência Brasil) 

  

Veja Também