Fiocruz anuncia maior colapso sanitário e hospitalar na história do Brasil

Postado em: 17-03-2021 às 16h30
Por: Redação
Como forma de enfrentamento, a fundação entregou, nesta terça-feira, um lote de 500 mil doses de imunizantes contra a covid | Foto: reprodução

João Gabriel Palhares

A Fundação Oswaldo Cruz divulgou nesta terça-feira (16/03), mais uma edição do Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19. No material produzido há indicadores que apontam para uma situação extremamente crítica no país. Segundo os pesquisadores, em decorrência da pandemia, o Brasil está enfrentando o maior colapso sanitário e hospitalar da história.

O mapeamento realizado pela fundação traz dados obtidos desde 17 de julho de 2020. O boletim é composto por dados divulgados pelas secretarias estaduais de Saúde e do Distrito Federal. Há também a colaboração das secretarias de Saúde das capitais. As novas informações apuradas foram adicionadas à série histórica já apresentada pelo Boletim.

Conforme anunciado pelo observatório, no atual momento, as taxas de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) para adultos estão iguais ou superiores a 80%. Os dados são baseados em 24 estados e no Distrito Federal. Há também, conforme o relatório, 15 estados com taxas iguais ou superiores a 90%. 25 das 27 capitais estão com as taxas iguais ou superiores a 80%, sendo 19 delas superiores a 90%.

Segundo os pesquisadores da Fiocruz, a adoção de ações de prevenção mais rigorosas com as atividades não essenciais é uma forma de evitar que o número de casos e mortes se alastre ainda mais pelo país. Para eles, a adoção de máscaras em larga escala, a aceleração da vacina e as medidas de distanciamento social podem também ajudar na redução de casos e morte, como também na diminuição das taxas de ocupação de leitos. 

Mais Vacinas

Após a divulgação dos dados, a Fiocruz entregou ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), nesta terça-feira (17/03), um lote de 500 mil doses de imunizantes contra a Covid-19. As vacinas Oxford/AstraZeneca foram fabricadas em Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro, a partir do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que foi importado da China. Segundo informações divulgadas pela Agência Brasil, 580 mil doses serão disponibilizadas até sexta-feira (19/03).

Conforme a Fiocruz, em março, serão entregues 3,8 milhões de doses dos imunizantes. Já a partir de abril, poderão ser produzidas mais de 20 milhões de vacinas mensalmente, afirma a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade. 

Compartilhe: