Renda Família de Rogério Cruz fracassa e não atende vulneráveis

Postado em: 24-03-2021 às 08h15
Por: Augusto Sobrinho
Prefeitura de Goiânia aguardava 24 mil beneficiários, mas excesso de burocracias dificulta inscrição | Foto: Reprodução

Daniell Alves

Dos 24 mil beneficiários aguardados pela Prefeitura de Goiânia, somente 7,1 mil se inscreveram no Renda Família por conta do excesso de burocracias. O programa concede auxílio mensal de R$ 300 para cidadãos sem renda formal que residam em imóveis com Valor Venal de até R$ 100 mil. Dos inscritos, 2.887 foram aprovados para receber o benefício. De acordo com a prefeitura, os cartões estão em processo de entrega nos endereços das famílias contempladas.

Conforme apurado pelo O Hoje, mesmo atendendo aos critérios para ser contemplada, grande parte da população tem encontrado dificuldades para realizar o cadastro. Isto porque, ao realizar a inscrição, que ocorre por meio do site da Prefeitura de Goiânia (www.goiania.go.gov.br), é necessário preencher em um formulário os números da inscrição cadastral do imóvel, disponível no boleto do IPTU; e do Cadastro de Pessoa Física (CPF) dos residentes; e informações pessoais do solicitante do benefício.

Além disso, se o imóvel for alugado ou cedido, é preciso anexar o contrato de locação, uma declaração do proprietário e/ou contas de água, energia, telefone ou internet que atestem o vínculo dos residentes com o imóvel de terceiros. Os solicitantes também precisam concordar com o Termo de Aceite.

Novo lote

Um novo lote de contemplados está previsto para hoje. As inscrições para o Renda Família estão abertas até o dia 31 deste mês e podem ser feitas por meio do site da Prefeitura de Goiânia ou nas unidades Atende Fácil, central de relacionamento presencial com o município.

Os beneficiários recebem os cartões, em um prazo médio de 10 dias após a data da aprovação da solicitação, já com os R$ 300 creditados. Esse montante é renovado a cada 30 dias, tendo como referência a data do primeiro depósito.

Para ter acesso ao recurso, basta realizar o desbloqueio por meio do telefone, site ou aplicativo da Alelo. Os R$ 300 podem ser utilizados em 648 estabelecimentos comerciais localizados na Capital para aquisição de alimentos. “As famílias que estão recebendo os cartões podem habilitá-los na hora no aplicativo da Alelo e irem às compras, garantindo o arroz e o feijão de forma imediata”, orienta o secretário de Finanças de Goiânia, Alessandro Melo. Pelas regras do programa, não há possibilidade de saque do dinheiro. Também há proibição de compra de bebidas alcoólicas e cigarros. Aquisições desse tipo podem inclusive resultar na perda do benefício.

Adesão

O Renda Família foi lançado no dia 22 de fevereiro. Ao longo desse período, a Prefeitura de Goiânia recebeu em média 247 inscrições por dia. O pico foi dia 23 de fevereiro. Nessa data foram registradas 795 solicitações. Do total de pedidos, 4.768 foram feitos pelos proprietários dos imóveis e 2.374 por inquilinos ou residentes em propriedades cedidas.

Até agora, 268 das 7.142 solicitações foram negadas, menos de 4% do total. A maior parte das negativas está relacionada à idade do solicitante que, por lei, precisa ser maior de 18 anos, ou à divergência cadastral. Há também 242 pedidos pendentes de informações complementares que precisam ser resolvidas para que as solicitações possam ser apreciadas.

Em análise estão 3.495. “Nós temos uma força-tarefa com quatro gerências focadas no cruzamento de informações e um grupo de trabalho, composto por seis pessoas, que realiza a avaliação documental, pois a análise utilizando apenas inteligência artificial não foi suficiente. Temos, por exemplo, muitas documentações sem assinatura do proprietário ou assinadas pelo próprio inquilino e anexos de documentos inválidos, de testes de gravidez a tarefa escolar, passando por apresentações em Power Point. Temos uma análise bem criteriosa da documentação e esse tipo de conteúdo prejudica muito o fluxo de trabalho”, explica o superintendente de Inteligência da Secretaria de Finança, Mário Mendes.

 Além do cruzamento de informações e da análise documental, os pedidos estão sujeitos à diligência da área de assistência social. A Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social é a responsável pela realização de vistorias quando o setor de inteligência detecta insuficiência de dados probatórios. (Especial para O Hoje)

Compartilhe: