Empresa da construção civil abre vagas de 1º emprego para jovens aprendizes em Goiânia

Postado em: 05-12-2021 às 18h39
Por: Nielton Soares
Oportunidades são para área administrativa e departamento pessoal, sem exigência de experiências | Foto: reprodução

  

O impacto da pandemia da Covid-19 no mercado de trabalho também afetou fortemente quem procura o primeiro emprego, como o grupo de jovens aprendizes. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mais de 86 mil vagas de jovens aprendizes foram fechadas no País após mais de um ano da chegada do novo Coronavírus ao Brasil.

O número é resultado do aumento de demissões de funcionários durante o período, já que o número de aprendizes deve ser proporcional ao número de funcionários da empresa.

A boa notícia é que algumas empresas têm retomado a contratação de jovens aprendizes. Um dos setores que vem puxando a oferta é o setor da construção civil. Em Goiânia, a Consciente Construtora e Incorporadora abriu três vagas para jovem aprendiz, com 18 anos ou mais para atuar na obra do empreendimento do World Trade Center (WTC).

As contratações são para auxiliar em atividades na área administrativa dos departamentos de almoxarifado e departamento pessoal. As funções não exigem experiências.

A supervisora de Desenvolvimento Humano e Organizacional da empresa, Lenyta Barbosa, diz que a aposta em jovens já é uma tradição da construtora, que, atualmente, conta com seis aprendizes, sendo quatro atuando na parte administrativa e dois nas obras.

“É uma política que tem dado bons resultados. Há casos de profissionais que entraram como aprendizes e, atualmente, atuam em cargos de supervisão, por exemplo”, destaca Lenyta.

O supervisor de tecnologia da informação (TI), Daniel Henrique Nunes Perim de Paiva, por exemplo, ingressou na empresa como jovem aprendiz no departamento pessoal em 2008 e, depois de um ano, foi contratado como assistente do departamento pessoal.

“Eu gostava muito de auxiliar e dar suporte aos meus colegas de trabalho em questões voltadas para a tecnologia. Após dois anos de contratado, já fui deslocado para a área de TI, onde sou supervisor”, compartilha o profissional, que começou a trabalhar como aprendiz aos 15 anos. A motivação era auxiliar na complementação da renda da família, já que o pai era o único provedor da casa.

Outro caso é do Gabriel Henrique Fontes Rodrigues, de 23 anos, que iniciou na empresa como aprendiz de assistente administrativo de obra em setembro do ano passado. Natural de Anápolis, ele mora em Goiânia há pouco mais de três anos, onde buscou melhores condições de vida e crescimento profissional.

“Foi quando vi a divulgação da vaga em um grupo interno da faculdade e decidi enviar o currículo. Em seguida, fui chamado para a entrevista com quem seria, futuramente, o meu líder direto. Depois das etapas, que inclui uma redação falando sobre mim e os meus anseios profissionais, além de testes psicotécnicos, fui contratado”, lembra.

Com menos de nove meses na empresa, ele já foi efetivado e passou a trabalhar como auxiliar de administração de pessoas. Apesar de estar contente com a recente promoção, que contribui com a consolidação de sua carreira profissional, Gabriel busca crescimento contínuo e ainda quer alcançar novas funções dentro da empresa.

Compartilhe: