Estudantes podem se inscrever para a bolsa universitária da OVG a partir dessa segunda (10)

Postado em: 10-01-2022 às 10h45
Por: Augusto Sobrinho
A Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) recebe inscrições ao Probem até o dia 23 de janeiro | Foto: Reprodução

O Programa Universitário do Bem (ProBem) inicia, nesta segunda-feira (10/01), o  período de inscrições para estudantes em situação de vulnerabilidade social, inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Ao todo, cinco mil bolsas serão disponibilizadas para este semestre (2022/1). As inscrições devem ser feitas exclusivamente pelo site da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) até o dia 23 de janeiro.

Das 5 mil bolsas ofertadas neste semestre, mil serão integrais e quatro mil parciais. As bolsas parciais correspondem a 50% do valor da mensalidade limitado a R$ 650. Já as integrais correspondem a 100% do valor da mensalidade limitado a R$ 1.500. As bolsas concedidas aos estudantes que cursam Medicina ou Odontologia têm limites maiores, R$ 2.900 para o benefício parcial e R$ 5.800 para o benefício integral.

Para concorrer à bolsa do ProBem, os estudantes precisam apresentar cadastro ativo e atualizado no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Os cadastros devem ter sido realizados até o dia 12 de dezembro de 2021, e serão considerados desatualizados os cadastros anteriores ao ano de 2019. Isso porque a seleção dos bolsistas, agora, utiliza dessa base de dados para analisar a condição de vida da família.

De acordo com a diretora-geral da OVG, Adryanna Melo Caiado, o ProBem agrega a cada semestre mais benefícios aos estudantes. “Neste primeiro semestre, o ProBem trouxe a novidade do apoio e incentivo à experiência profissional dos bolsistas por meio da viabilização do acesso a vagas de estágio, principalmente em empresas privadas. Assim, além de receberem a bolsa, esses jovens também são apresentados a oportunidades de trabalho no futuro, e podem vivenciar na prática tudo aquilo que veem em sala de aula”, comenta.

Compartilhe: