A MPB perde a harmonia de Severino Filho

Postado em: 02-03-2016 às 08h35
Por: Redação
Morre um dos responsáveis ocultos pela inovação da bossa nova, arranjador Severino Filho, aos 88 anos

A bossa nova tem sua Santíssima Trindade, formada por João Gilberto, Tom Jobim e Vinicius de Mo­raes. Mas o trio – e muitos artistas de diferentes gêneros que vieram depois de­les, como Tim Maia e Erasmo Carlos – já tinha como referência as modernas harmonias vocais que Severino Filho criava para Os Cariocas, conjunto vocal no qual ele era líder e fundador, ao lado de seu ir­mão, Ismael Netto.

“Os Cariocas, mesmo antes do estouro da bossa nova, já tinham um estilo, vamos dizer, bossanovístico. O meu irmão, Ismael Netto, era muito avançado no tempo nas orquestrações, na harmonia”, contou a O Glo­bo, em 2004, Severino Filho, à frente do grupo desde a morte de Ismael, em 1956. “Você pode ver ainda no tempo do 78 rotações, Adeus América, Eu Quero um Samba, já harmonias modernas e um balanço incrível. O que faltava era aquela batida do violão que o João Gilberto criou. Eu saía muito com o João na época, e ele me falava: “Severa, eu tô querendo cantar diferente, como se fosse um instrumento…”. E até que ele apareceu com a batida…

Ao longo de suas décadas de carreira (o grupo foi fundado em 1942 e fez sua primeira gravação em 1946), Os Cariocas atravessaram momentos fundamentais da história da bossa nova – gênero ao qual sempre se mantiveram fiéis. Severino Filho e seus colegas de grupo estavam ao lado de Jobim, João e Vinicius, no palco da boate Au Bon Gourmet, no show O Encontro, onde foi lançado o clássico Garota de Ipanema. 

“O cenário eramos nós e o copo de uísque do Vinicius, que dividia o banco do piano com o Tom”, lembrava Severino em 2002.

Arranjador e primeira voz dos Cariocas, Severino se tornou também pianista do gru­po em 1962, com sua técnica aperfeiçoada depois de estudar com professores como o maestro Hans-Joachim Koellreutter.

“Os arranjos do Severino deviam ser tombados pelo patrimônio histórico”, afirma Dalmo Medeiros, do MPB4. “Quem não conhece a introdução de Ela é Carioca e tantos outros arranjos dele? Os Cariocas talvez sejam o grupo vocal mais importante da música popular brasileira.

Pai da atriz Lúcia Veríssimo, Severino lançou seu último disco com Os Cariocas, Estamos Aí, em 2013. O cantor morreu na manhã de ontem, aos 88 anos. Internado desde o dia 18 de janeiro com um quadro de trombose pulmonar no Hospital Quinta D’Or, o músico sofreu uma parada cardiorrespiratória e não resistiu. (Agência O Globo) 

Compartilhe: