‘Cinema Na Calçada’ faz exibições gratuitas em setembro

Diversidade, política e feminismo são alguns dos temas dos filmes do ‘Cinema Na Calçada’, projeto que leva exibições gratuitas em Goiânia durante o mês de setembro

Postado em: 01-09-2016 às 06h00
Por: Redação
Diversidade, política e feminismo são alguns dos temas dos filmes do ‘Cinema Na Calçada’, projeto que leva exibições gratuitas em Goiânia durante o mês de setembro

Júnior Bueno

A calçada deveria servir para o pedestre andar. Porém o pedestre anda na via pública, onde trafegam carros, motos, bicicletas às vezes, porque muitas vezes os carros e motos andam nas calçadas. Muitas vezes serve para os comerciantes expor os seus produtos, colocar o carrinho de supermercado, colocar o lixo de seu comércio. Muitas vezes serve para colocar material de construção, estacionar carros. Se for cadeirante, então, serve menos ainda para trafegar, já que acessibilidade ainda é algo longe de ser regra. Mas, em Goiânia, por alguns dias, a calçada serve para ser cinema para todos.
Cinema? É isso mesmo! Não se assuste quando estiver caminhando pelo Centro de Goiânia e, de repente, se deparar com uma tela de cinema a céu aberto no meio da Avenida Goiás. Nem quando for dar um passeio e perceber que o Museu Pedro Ludovico Teixeira tornou-se uma verdadeira sala de cinema com direito a pipoca e feira de artigos locais. É a quarta edição do projeto Cinema na Calçada que promove, durante todo o mês de setembro, exibições gratuitas e coletivas de mostras cinematográficas que ocorrem em diferentes pontos da região central da cidade, a exemplo do Grande Hotel. 
O Cinema na Calçada será lançado neste sábado (3), durante a programação do Picnik, no Jardim Botânico, com uma mostra de curtas chamada Mostra Seu Lugar, e no decorrer do mês passa pelo Museu Pedro Ludovico Teixeira com a Mostra Sua Cara, com filmes que falam sobre questões políticas; pela Rua do Lazer, por meio da Mostra Seu Jeito, com produções que narram histórias sobre diversidade; e pela calçada do Grande Hotel, com a Mostra Sua Voz, com filmes sobre feminismo e mulher. Ao todo, o projeto percorrerá quatro espaços diferentes com a exibição de mais de 20 curtas-metragens premiados em festivais espalhados por todo o País. 
Segundo a coordenadora do projeto, a produtora cultural Larissa Fernandes, a proposta do projeto neste ano é “criar um projeto que visa a transformar os espaços públicos da cidade em lugares de encontro, de ocupação, como a Rua do Lazer e o Museu Pedro Ludovico Teixeira, que são pontos importantes de Goiânia, mas que as pessoas ainda não conhecem”. Além das exibições, haverá ainda uma feirinha de produtos orgânicos em uma parceria entre a Panaceia Filmes e o Casulo Moda Coletiva.
Um passeio ciclístico foi programado para percorrer principais pontos art déco do Centro da cidade, com a proposta de valorização, sustentabilidade e memória, no domingo do dia 25 de setembro, às 9h, saindo da porta do Teatro Goiânia. O passeio será guiado pelo especialista em art déco Gutto Lemes e acompanhando pela especialista em rotas cicláveis Gabriela Silveira. A visita guiada propõe resgate da cultura da Capital, compreendendo o estilo arquitetônico predominante (art déco) que marcou época, além de ligar esse passado de referência ao presente. 
O Cinema na Calçada é uma realização da produtora de cinema Panaceia Filmes que, desde 2010, realiza projetos de produção, formação e reflexão na área audiovisual. Ao longo desses primeiros anos, foram produzidos sete curtas-metragens, três edições da mostra Cinema na Calçada, um seminário de audiovisual para produtoras e produtores independentes (Sappi), além da primeira revista de cinema do Estado de Goiás, a Janela. Atualmente, a Panaceia está em processo de finalização de dois primeiros longas-metragens, Bem pra Lá do Fim do Mundo e Hotel Mundial, que serão lançados em 2017 e em coprodução de um programa de TV para o Canal Cine Brasil TV.

As Mostras 
Ao todo, são quatro mostras. O lançamento, no Jardim Botânico, vai trazer a Mostra Seu Lugar, com cinco curtas-metragens produzidos em diferentes Estados brasileiros que falam sobre cidade, mobilidade urbana, ocupação de espaços públicos e as intervenções do urbanismo tático. Os filmes são: Desterro, de Marília Hughes e Cláudio Marques; Praça Walt Disney, de Renata Pinheiro e Sergio Oliveira; Baleia Magic Park, de Mariana Lacerda; E, de Alexandre Wahrhaftig, Helena Ungaretti e Miguel Antunes Ramos; e Gaza, de Pedro Henrique Gomes.
A proposta da exibição seguinte, Mostra Sua Cara, no dia 15, no Museu Pedro Ludovico, é debater a política por meio do audiovisual. Os filmes escolhidos são: Salomão, de Alexandre Wahrhaftig e Miguel Antunes Ramos; Uma Fábula do Maracanã, de Felipe Bragança; A Eleição é uma Festa, de Fábio Rogério; Em Trânsito, de Marcelo Pedroso; Barulho Feio, de Miguel Antunes Ramos, e 1989, de Rei Sousa. 
No dia 22, a Mostra Seu Jeito, no Grande Hotel, traz obras que tem como tema a diversidade. O objetivo da curadoria foi reunir curtas que, de certa forma, levantam bandeira contra a intolerância. Os filmes O Clube, de Allan Ribeiro; A Moça que Dançou com o Diabo, de João Paulo Miranda Maria; Rapsódia Para o Homem Negro; de Gabriel Martins, e Mademoiselle do Rap, de Raphael Gustavo da Silva, fazem parte da seleção. 
A Mostra Sua Voz, no dia 29, também no Grande Hotel, destaca um assunto necessário: a posição da mulher em nossa sociedade. Os filmes tratam desde um processo histórico de formação do que é a mulher pela mídia, com exemplos de propagandas do século passado em Diagrama do Útero (de Bianca Rêgo), mostrando que pouco mudou nos exemplos atuais trazidos por Quem matou Eloá? (de Lívia Perez). Por sua vez, Meio Fio (de Denise Sales Vieira) nos traz a relação de uma mulher com a sociedade, seu cotidiano e trabalho, enquanto Entre Nós (de Patrícia Guedes) revela os conflitos internos em busca de uma identidade, ambos usando da forma sensível do cinema para o se colocar no mundo. Todas questões sobre o feminino levantadas por meio de pontos de vistas femininos. Todas as mostras e eventos têm entrada gratuita.

Veja Também