Visibilidade lésbica: 10 filmes que promovem representatividade saudável

Postado em: 31-08-2021 às 15h01
Por: Giovana Andrade
Produções cinematográficas que contam boas histórias com pergonagens lésbicas e bissexuais sem fetichizar ou apagar relações entre duas mulheres. | Foto: Retrato de uma Jovem em Chamas

O mês de agosto reúne duas datas importantes para a comunidade lésbica: o Dia do Orgulho Lésbico, celebrado em 19 de agosto, e o Dia da Visibilidade Lésbica, comemorado neste domingo (29/08).

Ambas as celebrações são importantes no sentido de combater o preconceito enfrentado por mulheres lésbicas, bem como os problemas advindos da discriminação chamada de lesbofobia, como o não reconhecimento das relações afetivas entre mulheres e a fetichização das mesmas.

Um exemplo prático desses problemas pode ser notado no cinema, visto que, na maioria das produções cinematográficas, mulheres lésbicas sequer são representadas. Quando finalmente ganham espaço, são constantemente representadas de maneira estereotipada, e as relações afetivas entre mulheres são alvo de fetichização, colocadas em tela apenas para satisfazer o olhar masculino.

Por isso, em comemoração ao Dia da Visibilidade Lésbica e na tentativa de combater o apagamento lésbico, reunimos aqui 10 filmes que, além de promover a representatividade saudável de mulheres que se relacionam com mulheres, contam excelentes histórias. Confira:

Em Busca de Summerland (2020)

Alice é uma escritora que vive reclusa nas falésias costeiras do sul da Inglaterra na época da Segunda Guerra Mundial. Certo dia, ela abre a porta da frente e descobre um jovem garoto evacuado de Londres chamado Frank, a quem ela deve dar abrigo. Ela resiste, mas acaba acolhendo o pequeno sobrevivente. Não demora muito, no entanto, para que os dois percebam que possuem mais em comum do que Alice imaginava. A produção se destaca pela história cativante e pela sensibilidade com que os personagens são tratados.

Retrato de uma Jovem em Chamas (2019)

Marianne é uma jovem pintora na França do século 18, com a tarefa de pintar um retrato de Héloïse para seu casamento, sem que ela saiba. Passando seus dias observando Héloïse e as noites pintando, Marianne se vê cada vez mais próxima de sua modelo. Dirigido por Céline Sciamma, o filme possui imagens carregadas de sentimento e significado.

Shiva Baby (2020)

A jovem universitária Danielle se depara com uma série de encontros constrangedores em uma shivá, um período de luto no judaísmo. Na presença de parentes autoritários, ela fica amedrontada pelo aparecimento de uma ex-namorada e de seu sugar daddy secreto, que chega inesperadamente com sua esposa e bebê. Uma comédia irreverente e fora dos padrões sem deixar de divertir.

A Criada (2016)

Durante a ocupação japonesa, a jovem Sookee é contratada para trabalhar para uma herdeira nipônica, Hideko, que leva uma vida isolada ao lado do tio autoritário. Mas Sookee guarda um segredo: ela e um vigarista planejam desposar a herdeira, roubar sua fortuna e trancafiá-la em um sanatório. Tudo parece correr bem com o plano, até que Sookee começa a se aproximar de Hideko. A trama é envolvente, bem construída e cheia de reviravoltas, com potencial para se tornar um clássico.

Kajillionaire (2020)

Old Dolio é uma jovem que pertence a uma família de criminosos. Quando seus pais envolvem um estranho no maior assalto que eles já planejaram, Dolio vê sua vida virando de cabeça para baixo. O filme é uma mistura de drama e comédia que proporciona questionamentos sobre o sistemas em que estamos inseridos.

Meu Primeiro Verão (2020)

Claudia, de 16 anos, cresceu isolada do mundo exterior. Presa em uma propriedade remota após a morte de sua mãe, sua vida se transforma quando Grace, uma animada adolescente local, aparece em seu jardim. A produção é uma ode ao primeiro amor, mostrando com sensibilidade os processos de descoberta tão comuns ao período da adolescência.

Eu Me Importo (2020)

Marla Grayson é uma renomada guardiã legal que gosta de cuidar de idosos ricos. Às custas dessas pessoas, ela leva uma confortável vida de luxo. Quando ela pensa ter encontrado uma nova vítima perfeita, descobre que a mesma guarda segredos perigosos. A partir dai, Marla tem que usar toda sua astúcia para continuar viva. O relacionamento entre Marla e Fran, sua companheira, enriquece a trama, que foge do padrão heteronormativo repetido tantas vezes nas produções cinematográficas.

Livrando a Cara (2004)

Em uma comunidade chinesa nos EUA, Wil Pang, uma médica centrada na carreira e lésbica não assumida, começa um relacionamento com Vivian, uma bailarina assumida. Ao mesmo, a mãe de Wil engravida de um desconhecido e é expulsa de casa, tendo que pedir abrigo à filha. O filme narra o desenrolar dessas histórias, que acabam se entrelaçando, e o relacionamento lésbico é representado com maestria, de forma verossímil e não fetichizada.

Rua do Medo (2021)

Trilogia original da Netflix, a trama se passa em três datas, 1994, 1978 e 1666, e narra o mistério da pequena cidade de Shadyside, conhecida por ser palco de inúmeros casos de moradores que se revelam serial killers inescrupulosos. O relacionamento entre as personagens é apresentado no primeiro filme e se desenvolve ainda mais no último, quando as questões sociais tratadas no decorrer da trama ganham evidência.

Você Nem Imagina (2020)

Ellie Chu, uma tímida estudante, sente-se isolada e sem amigos na pequena cidade de Squahamish, onde ela faz alguns trabalhos para seus colegas do ensino médio em troca de dinheiro. Quando Paul Munsky pede a Ellie que ela escreva cartas de amor para Aster Flores no nome do garoto, ela concorda em ajudar. A partir de então, os três formam um complicado triângulo de amizade e embarcam em uma viagem de descoberta. Uma típica comédia romântica adolescente, mas que explora de forma singular as descobertas e conexões estabelecidas nesse período.

Compartilhe: