Equipe de Chico Buarque se pronuncia sobre suposto plágio de Adele; entenda o caso

Postado em: 23-11-2021 às 09h45
Por: Giovana Andrade
Na internet, brasileiros apontaram as semelhanças entre a nova faixa da cantora britânica, "To Be Loved", e a canção "Eu Te Amo", composta por Chico Buarque e Tom Jobim. | Foto: Reprodução

Após ser acusada de plagiar “Mulheres”, clássico na voz de Martinho da Vila, na faixa “Million Years Ago”, Adele voltou a se tornar assunto entre os brasileiros. Após o lançamento do disco “30”, no dia 19/11, internautas apontaram semelhanças entre “Eu Te Amo”, composta por Chico e Tom Jobim, e “To Be Loved”, da cantora e compositora britânica.

No Twitter, alguns usuários compararam o início de ambas as faixas, marcadas por um toque no piano. “A introdução é realmente muito parecida, diria igual. Com o agravante da Adele repetir até o ‘Ah’ inicial do Chico”, comentou um internauta. 

Outros perfis apontaram, inclusive, a “semelhança” do significado do título. “To Be Loved”, em português, significaria “ser amado” — temática parecida à presente no título da canção brasileira, “Eu te amo”.

Por outro lado, pessoas também afirmaram que não se trata de um plágio. Eles apontam que a música de Chico é uma sequência de acordes, enquanto a de Adele é uma escala descendente. 

No mesmo sentido, a equipe de Chico Buarque negou que Adele tenha plagiado a canção “Eu te Amo”. O maestro Luiz Cláudio Ramos chegou a ser acionado para analisar as composições mas, procurados pela Folha de S. Paulo, os representantes afirmaram que não há semelhanças entra a canção do brasileiro e a faixa “To Be Loved”, do disco “30”. 

A polêmica envolvendo “Mulheres”

Recentemente, o compositor brasileiro Toninho Geraes reuniu provas para entrar com uma ação contra Adele pelo plágio de Mulheres, composta por ele e lançada em 1995 por Martinho da Vila. Adele e o produtor Greg Kurstin, que também assinou a faixa, receberam duas notificações extrajudiciais em maio deste ano. As gravadoras XL Recordings e Beggars Group, assim como a Sony Music, foram alertadas da situação. 

De todos os acusados, somente a Sony respondeu formalmente, informando que a responsabilidade recai sobre a gravadora inglesa e Adele. Conforme o advogado Fredímio Biasotto Trotta, a intenção inicial era tentar um acordo, mas, como não obtiveram resposta, acenam com a judicialização do caso. Trotta diz que, em termos técnicos, 87% da composição de Adele é idêntica ou muito semelhante à de Toninho, que quer receber tudo o que a cantora lucrou com a música, além de ser creditado como autor da canção.

Antes de entrar na Justiça, a equipe está finalizando “um vídeo comparativo com as duas melodias sobrepostas, interpretadas pela mesma cantora”, que deve fica pronto na próxima quarta-feira (24). Segundo o advogado, o plano é entrar com a ação antes do recesso de fim de ano.

Compartilhe: