Qualidades e diferenças entre os vinhos do Velho Mundo e os vinhos do Novo Mundo

Postado em: 16-12-2021 às 08h00
Por: Redação
O essencial é conhecer cada uma das regiões e terroir em que as uvas são cultivadas e assim entender como a história

Por Edna Gomes

Primeiro, é importante destacar que os principais atributos dos vinhos não têm necessariamente ligação com localização geográfica. Justamente por isso esse artigo não pretende apontar uma região melhor do que a outra.

O que vou tentar apresentar um pouco sobre as particularidades marcantes dos vinhos do Novo Mundo e vinhos do Velho Mundo. O essencial é conhecer cada uma das regiões e terroir em que as uvas são cultivadas e assim entender como a história, cultura e as características dos povos influenciam no processo de produção e no resultado. São classificados como vinhos do Velho Mundo os que são produzidos em países considerados como mais antigos. Como exemplo vou  citar França, Itália, Alemanha, Espanha e Portugal, todos na Europa. Assim como algumas regiões da Ásia. Nessas regiões, os vinhos são produzidos a partir do conhecimento humano, da tradição de como plantar e colher, técnicas seculares transmitidas de geração para geração.Isso explica o fato de as vinícolas do Velho Mundo serem administradas por famílias que vão se revezando no comando das vinhas e assumindo essa missão cultural de produzir ótimos vinhos em seus territórios.

Em contraponto, os vinhos do Novo Mundo são considerados aqueles produzidos em países mais jovens, colonizados pelos europeus, que teriam transmitido os conhecimentos e técnicas para cultivo e levado para essas regiões as castas mais famosas.

Os vinhos franceses, tidos como os mais equilibrados e elegantes. Bordeaux, Bourgogne e Champagne são suas principais e mais respeitadas regiões. Da Itália, lembra-se sempre dos vinhos robustos, austeros, extremamente gastronômicos, utilizando uvas como a Sangiovese, ácida e com bons taninos, e a Nebbiolo, fazendo os grandes Barolos e Barbarescos.

A Espanha também produz uma infinidade de vinhos modernos e frutados. No país, as regiões de Ribera del Duero e Rioja são as mais conhecidas na produção de vinho. É de onde saem Tempranillos de altíssimo corpo, intensa fruta e taninos redondos. As Cavas também levam a fama do país mundo afora, oferecendo espumantes frescos e com caráter.

Já Portugal, embora seja um país geograficamente pequeno, produz vinhos em todas as regiões. Conforme Copetti, nos últimos anos, o país foi o que mais ampliou a participação no mercado de vinhos brasileiro. 

De terras irmãs nossas saem vinhos fabulosos. Vinhos modernos, estruturados e firmes nos tintos frescos e leves nos brancos — comenta o especialista, que também destaca o famoso vinho do Porto, os vinhos verdes e os produzidos na região do Alentejo, que têm se destacado em todo o mundo.   

Os vinhos da região do Alentejo, mais fáceis de se beber, caíram nas graças dos consumidores. E os famosos Vinhos Verdes, especialmente os feitos com a uva Alvarinho, enchem de perfume os ambientes e entregam acidez na boca, deixando cada gole mais prazeroso.

O “Novo Mundo” remete aos países mais jovens, antigas colônias europeias que se especializaram na produção de vinhos posteriormente. Entre esses países estão Estados Unidos, Austrália, Canadá, Uruguai, Nova Zelândia, Argentina, Chile, África do Sul e o Brasil. 

Enquanto o Chile se destaca pelos vinhos cabernet sauvignon e carmenère, a Argentina é conhecida pelo malbec e o Uruguai pelo tannat. Além disso, embora todos fabriquem outros tipos de vinhos, há alguns que se adaptam melhor. No caso de Santa Catarina, uma das uvas que se adaptou bem e cujos vinhos têm se destacado, é a sauvignon blanc, uma uva branca. 

Características do vinho do Velho Mundo

Entre os principais diferenciais de produção de vinho no Velho Mundo estão os métodos e técnicas tradicionais transmitidas de geração para geração, além das características peculiares do terroir do Velho Mundo.Independentemente do local exato, uma coisa é fato: os países pertencentes ao continente europeu foram os maiores incentivadores da vitivinicultura, devido a marcante presença do império romano. Entendendo essa trajetória, podemos compreender melhor a longa evolução do vinho e porque o mesmo é tão importante para diversos povos. 

Os vinicultores europeus têm como característica fundamental o foco no chamado “terroir”-  união entre solo, clima e região. Empregam pouquíssima tecnologia e geralmente utilizam práticas enológicas tradicionais, passadas através de gerações. Além disso, a produção é regulada por rígidas leis que pretendem preservar a autenticidade de determinada área. Os rótulos do Velho Mundo têm o nome da região vinícola e não das uvas. Para esses produtores, o lugar onde a casta foi cultivada é mais importante do que ela em si.

Os vinhos produzidos nos países europeus, geralmente são mais delicados e elegantes. Normalmente exibem acidez elevada; taninos perceptíveis; possuem mais aromas minerais e menos frutas; e suas cores são menos concentradas.

Características do vinho do Novo Mundo

Já os vinhos produzidos no Novo Mundo utilizam da inovação para favorecer o cultivo dos vinhedos. Isso porque há tecnologias que são empregadas desde o plantio da videira, para a realização de colheitas mecânicas, e inclusive fazer a irrigação por método industrial.

Outra diferença com o Velho Mundo é que não existem regras específicas para as vinícolas, ou seja, as práticas de vinificação são mais flexíveis, o que permite, por exemplo, atender à demanda do mercado consumidor em qualquer período do ano.

Essas particularidades fazem com que os vinhos produzidos no Novo Mundo tenham coloração intensa, teor alcoólico mais elevado, acidez reduzida, notas de carvalho evidenciadas e sabores mais frutados.

Diferentemente do Velho Mundo, eles adotam práticas de vinificação mais flexíveis, pois não precisam obedecer restritivas normas de regulamentações regionais. Dessa forma, podem alterar as características de seus produtos de maneira a atender à demanda do mercado consumidor, a qualquer momento.

No Novo Mundo os vinhos são mais intensos, com maior coloração, sabor e aroma. Os produtores destes países buscam criar rótulos que já saiam das vinícolas prontos para o consumo, fáceis de beber e, normalmente, sem muita guarda e barrica. Outra característica é que estes exemplares passam por uma fermentação mais longa ou rápida, que acaba conferindo à bebida um teor alcoólico maior.

Final

Seja o vinho tinto, branco, rosé, espumante, doce, champagne, do Velho Mundo ou Novo Mundo, produzido organicamente ou por processos quase que totalmente mecanizados, o vinho guarda em si, a magia da reflexão, o toque do romance, a pitada da alegria.

A cada taça que levamos aos lábios, carregamos história, paixão, aventura! Uma simbiose entre o trabalho desenvolvido pelo Homem, com o inquestionável é obrigatório consentimento da Mãe Natureza, sem o qual nada disso seria possível.

Talvez isso tudo lhe pareça um pouco fantasioso, mas sem medo de errar, podemos considerar o vinho um ser vivo que se modifica com o tempo, que revela-se lentamente quando aberto, e após o término de cada taça parece querer nos dizer: missão cumprida, pronto prá outra!

Por isso caro leitor, não vejo problema algum em encarar a vida com um pouco mais de alegria e se permitir ser feliz, sem culpa nem remorso, e ir descobrindo a cada gole, as intenções do enólogo, a sinergia das forças da natureza, a intensidade dos aromas e a magia que cada videira consegue transportar, desnudando na forma de pequenos bagos de uva, toda uma história de paixão, trabalho e prazer!

Compartilhe: