Gloria Perez teme ser assassinada por Paula Thomaz: ‘Sei do que essa mulher é capaz’

"Quem sabe se o punhal dela não está guardado para mim?", desabafou a autora de novela no último episódio da série.

Postado em: 03-08-2022 às 16h15
Por: Victória Vieira
A mulher vive no mesmo bairro de Gloria e chegou a cursar direito onde Daniela e seu irmão foram alunos | Foto: Divulgação/HBO Max

A série documental “Pacto Brutal: O assassinato de Daniela Perez”, produzida pela HBO é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais desde do seu lançamento. Após detalharem publicamente sobre o crime que chocou o Brasil em 1991, a mãe da vítima, Gloria Perez, ao ser questionada sobre Paula Thomaz, ex esposa de Guilherme de Pádua, responsável pelo crime, diz temer ser assassinada pela mulher.

“O que ela quer? Isso me assusta. Eu não sei. Eu sei do que essa mulher é capaz. Ela matou a minha filha. Quem sabe se o punhal dela não está guardado para mim?”, desabafou a autora de novela no último episódio da série.

A mulher vive no mesmo bairro de Gloria e chegou a cursar direito onde Daniela e seu irmão foram alunos.

Continua após a publicidade

“Ela saiu do presídio e o que ela foi fazer? Foi estudar Direito na mesma faculdade onde a Dani estudou e o irmão dela, Rodrigo, se formou. Depois, ela muda de faculdade e escolhe quem como professor? O promotor (Maurício Assayag) que a condenou. Ela escolheu a dedo”, disse Barbara Ferrante, prima da atriz, revelando que Thomaz tinha uma obsessão bizarra com ela, seguindo sempre os seus passos.

Além disso, Perez foi questionada sobre a ressocialização de presos e se era contra a ação ou acreditava que as pessoas que cometeram crimes no passado podiam mudar. Ela respondeu que acredita na ressocialização de pessoas que enfrentaram o sistema carcerário, porém, no caso dos assassinos de sua filha, não. Segundo Gloria, eles são psicopatas.

“As pessoas perguntam se sou contra a ressocialização de presos. Se eu acredito que as pessoas mudam. Claro que acredito! O primeiro passo para a mudança é o arrependimento. Isso eu já sei. Mas esses dois… Em psicopatas, eu nunca vi. Nos dois assassinos da minha filha, eu nunca vi. Trinta anos se passaram e eles continuam dando sinais de que são exatamente os mesmos”, explicou.

Veja Também