Salvador: mistura de raças, culturas e credos

Patrimônio artístico, cultural e natural atrai brasileiros e estrangeiros à primeira capital do Brasil

Postado em: 23-04-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Patrimônio artístico, cultural e natural atrai brasileiros e estrangeiros à primeira capital do Brasil

GABRIELLA STARNECK*

Continua após a publicidade

Festas populares, arquitetura colonial, belas praias e gastronomia: esses são alguns dos aspectos que despertam o interesse dos turistas por Salvador. Considerada o centro da cultura afro-brasileira, a cidade mistura raças, culturas e credos, conferindo a Salvador um astral único e ‘arretado’, como diz a cantora Ivete Sangalo, que atrai brasileiros e estrangeiros o ano inteiro.

Contudo, embora Salvador seja um bom destino durante todas as estações, é no verão que a capital baiana ganha ainda mais brilho com festas populares que arrastam multidões atrás de imagens religiosas e, é claro, dos trios elétricos. A cidade é um importante destino turístico do País, ficando atrás apenas do Rio de Janeiro em relação à procura. Dentre os pontos de interesse, estão o seu famoso Pelourinho, suas igrejas históricas e suas praias.

Histórico

Primeira capital do Brasil, Salvador conecta os residentes da cidade e os turistas com o Brasil colonial, seja por intermédio da cultura popular ou, de forma mais visível, por meio de sua arquitetura – expressa pelas ruas e vielas com centenas de casarões daquela época. Como afirma a música do município, “Cidade de tanta glória, povo nas lutas, viril. Salvador, tua história é a mesma do Brasil”. 

Sede da primeira administração colonial portuguesa do Brasil, a cidade é considerada uma das mais antigas da América, planejada ainda no período do Renascimento. Salvador foi fundada por Tomé de Sousa, em 1549, por conta da implantação do Governo-Geral do Brasil pelo Império Português. A centralização como Capital junto à colonização escravocrata foram fatores importantes na formação do perfil do município: seja na área arquitetônica, cultural ou religiosa. 

O Centro Histórico de Salvador, localizado no Pelourinho, é reconhecido pela arquitetura colonial portuguesa em monumentos históricos, como igrejas, casarões e museus, que datam do século 18 até o início do século 20. O bairro histórico foi declarado como Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Belezas naturais

O litoral de Salvador possui cerca de 80 quilômetros de praias distribuídas entre a Cidade Alta e Cidade Baixa, desde Inema, no subúrbio ferroviário, até a Praia do Flamengo, do outro lado da cidade. Enquanto as praias da camada Cidade Baixa são banhadas pelas águas da Baía de Todos os Santos, as praias da Cidade Alta, como a do Farol da Barra e a do Flamengo, são banhadas pelo Oceano Atlântico, com exceção da Porto da Barra – única praia da Cidade Alta, localizada na Baía de Todos os Santos. 

As praias da capital baiana, diferente das do Rio de Janeiro, são calmas e bem mais quentes. As águas são ideais para natação, vela, mergulho e pesca submarina, como também procuradas por surfistas devido enseadas de mar com ondas fortes. Há também praias cercadas por recifes, formando piscinas naturais de pedra, ideal para crianças brincarem.

Gastronomia e religião

Aspectos históricos e culturais de Salvador foram herdados pela miscigenação de diferentes grupos étnicos – como os africanos, europeus e indígenas. Esta mistura pode ser vista desde a religião, cozinha e manifestações culturais à personalidade do povo baiano. No quesito gastronomia, as receitas típicas mesclam com perfeição ingredientes indígenas, africanos e portugueses, que levam à mesa delícias como bobó, moqueca e caruru – sempre perfumados pelo azeite-de-dendê. Sem falar nas ofertas de bolinho recheado com vatapá e camarão seco e o famoso acarajé.

Já em relação às crenças, desde o século 17 observa-se no estado uma dualidade religiosa: de um lado, a religião católica (de origem europeia) e do outro, o candomblé (de origem africana). Inclusive Salvador é conhecida pelo sincretismo religioso, em que o catolicismo convive junto ao candomblé. E, apesar de existirem outras religiões locais, essas duas são as que mais se destacam. 

O que fazer

Opções de lazer não faltam para os turistas que escolhem Salvador como destino. Para se divertir sem gastos, os visitantes podem, por exemplo, ir à praia pela manhã e fazer um passeio no Centro Histórico à tarde. Ainda se pode ir ao Farol da Barra ver o pôr do sol na Baía de Todos os Santos. Para quem é adepto de programações noturnas, uma boa opção é jantar em um dos bons restaurantes da cidade ou ir dançar nos ensaios dos blocos de Carnaval ou ao som de outros estilos musicais. Inclusive um dos grandes atrativos da cidade é o Carnaval, considerado uma das maiores festas populares do mundo. 

O Mercado Modelo é outro ponto escolhido por muitos turistas, já que o local oferece uma série de lembranças da Bahia para os visitantes comprarem – dentre elas rendas, berimbaus e todo tipo de artesanato produzido no estado. Além disso, o espaço tem grande importância histórica e cultural, já que no porão do local – que atualmente é aberto à visitação – ficavam os escravos vindos da África enquanto aguardavam serem leiloados. 

Outras possibilidades de lazer são os teatros, como o Castro Alves, o Jorge Amado e o Vila Velha, e visitas aos pontos turísticos – como ir à Igreja e ao Convento de São Francisco. Outro destaque do local é o Elevador Lacerda – um dos marcos da capital baiana inaugurado em 1872. Por intermédio dele, é possível circular entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa. Com 72 metros de altura, liga a Praça Tomé de Souza (parte alta) à Praça Cairu, onde fica o Mercado Modelo. 

Infraestrutura 

Para quem deseja visitar Salvador, a cidade oferece uma boa infraestrutura – tanto para aqueles que dispõem de mais dinheiro para gastar, quanto para os que optam por ter menos gastos. Grandes hotéis tendem a ser localizados ao longo da orla marítima, mas também há pequenos hotéis na Barra e outros – geralmente mais baratos – espalhados ao longo da via principal da Avenida Sete de Setembro. Se, mesmo assim o turista achar o local de hospedagem caro, ele pode tentar achar algo mais ‘em conta’ em torno do Pelourinho. 

Em relação ao transporte, o município dispõe de várias modalidades: rodoviário, ferroviário, aéreo e aquático. As principais vias terrestres são as rodovias BR-324 (federal) e BA-099 (estadual) e as avenidas Avenida Luís Viana (Paralela) e Afrânio Peixoto (Suburbana). Dessas, a Avenida Paralela e a Rodovia Federal são importantes vias metropolitanas e os principais corredores de ônibus urbano. 

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação 

da editora Flávia Popov 

Veja Também