Museus goianos apresentam trabalhos de seus acervos em Buenos Ai

Mostra ‘Entre acervos’ fica aberta ao público entre fim de abril e início de junho na Capital argentina

Postado em: 26-04-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Mostra ‘Entre acervos’ fica aberta ao público entre fim de abril e início de junho na Capital argentina

A Mostra Entre Acervos – Uma Experiência Transregional está em cartaz, de quinta-feira (26) até 2 de junho, no Centro Cultural Rector Ricardo Rojas, em Buenos Aires (Argentina). Diversos nomes importantes das artes visuais do Brasil poderão ser vistos na exposição, que reúne trabalhos que compõem o patrimônio artístico dos museus de Artes Plásticas de Anápolis (Mapa), de Arte Contemporânea de Goiás (MAC), de Arte de Goiânia (MAG) e de Arte Contemporânea de Jataí. 

O evento conta com curadoria e produção de Paulo Henrique Silva e recursos do Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás. A mostra pretende o intercâmbio cultural entre Brasil e Argentina e com demais países latino-americanos – considerando que Buenos Aires recebe turistas vindos de todos eles. A apresentação da Entre Acervos está organizada em dois momentos: um na capital argentina e outro em Belo Horizonte, no Palácio das Artes, entre julho e outubro. O objetivo é ampliar a divulgação e valorizar as produções que estão sob a guarda dos principais museus goianos. 

Continua após a publicidade

‘Entre Acervos’

Paulo Henrique escolheu vídeos e fotografias das coleções das quatro instituições goianas para expor nas salas da galeria do Centro Cultural Rector Ricardo Rojas, unidade vinculada à Universidade de Buenos Aires. O curador explica que o corpo é a fonte da concepção curatorial do projeto e, em todos os trabalhos, o seu uso ou situações e vestígios que remetem a essa temática são observados. Paulo ainda destaca que, mais que a representação figural do corpo, as obras colocam em evidência como suportes para experimentos de diferentes linguagens midiáticas, utilizando-os para questionar seu lugar em uma sociedade contemporânea e multicultural. 

Outro princípio que reafirma o conceito curatorial da exposição é a aglutinação de trabalhos que enfatizam narrativas que problematizam questões da cultura iconográfica do corpo a partir de apontamentos como o corpo do artista na posição de objeto de arte, e os discursos artísticos e políticos gerados a partir daí. “O corpo se apresenta como um produtor de sentidos simbólicos na junção entre o artista que atua e o objeto de arte resultante da ação”, analisa o curador.

Acervos

O recorte de obras pertencentes aos museus de artes visuais do Estado de Goiás, apresentado na Uma Experiência Transregional, revela a construção de acervos constituídos a partir de obras locais e de diversas outras regiões do País. “A mostra visa a colaborar para colocar os acervos em contato com o seu tempo, torná-los veiculadores de conhecimento e referenciais da identidade de um povo, de uma nação”, afirma o produtor e curador. 

Ainda segundo ele, “a realização de uma mostra curada a partir de obras pertencentes a instituições públicas, a divulgação e a circulação em âmbito internacional de bens culturais são fatores que contribuem para o reconhecimento e fortalecimento dos acervos de arte contemporânea que se encontram fora dos grandes centros, acrescenta”.

Para todo o público a exposição vai levar temáticas com rico repertório cultural, tanto das dinâmicas do mundo contemporâneo, quanto de elementos regionais. Os trabalhos também têm grande qualidade estética, com apelo conceitual. “A proposta, portanto, é discutir as relações estabelecidas entre a construção das trajetórias dos artistas simultaneamente e paralelamente aos dos acervos institucionais”, finaliza Paulo Henrique Silva. 

Veja Também