Flor de Sal lança álbum e single em Goiânia

Protagonizada por Karina Zeviane e Micael Amarante, a Flor de Sal está lançando o single "Amor de eletricista", que já tem videoclipe oficial, na passagem pelo Bananada

Postado em: 06-05-2018 às 17h35
Por: Lucas de Godoi
Protagonizada por Karina Zeviane e Micael Amarante, a Flor de Sal está lançando o single "Amor de eletricista", que já tem videoclipe oficial, na passagem pelo Bananada

Foto: Reprodução

A Flor de Sal, banda que acaba de lançar seu primeiro álbum – já nas plataformas digitais – estará em Goiânia para participar da 20ª edição do Festival Bananada.

Como parte da programação oficial do evento, a banda Flor de Sal se apresenta na próxima quarta-feira (9) no Retetê, em Goiânia. Protagonizada por Karina Zeviane e Micael Amarante, a Flor de Sal está lançando o single “Amor de eletricista”, que já tem videoclipe oficial, na passagem pelo Bananada.

Continua após a publicidade

Conheça a banda

A dupla Flor de Sal compartilha um olhar sensível e lúdico, presente nas nove canções originais do álbum de estreia, gravado no estúdio Secreto, no Rio de Janeiro, e no Secret Air, em Secretário.

Com produção musical de Filipe Rasta e participação de Marcelo Cebukin nos sopros, FLOR DE SAL propõe uma viagem pela música popular brasileira em seus cenários praianos, coloridos, repletos de ritmos e sonoridades distintos. “Nosso som remete a um modo de vida amoroso, leve, livre, expressivo, saudável e solar. Remete ao que buscamos todos os dias para as nossas vidas. E ao que mais precisamos no mundo”, define Karina, de volta ao Brasil depois de anos no exterior, seis dos quais como cantora da Thievery Corporation, por indicação de David Byrne. Recentemente, Karina abriu os shows da turnê brasileira de Byrne, em paralelo ao trabalho da Flor de Sal.

Vindo da experiência com a banda Mohandas, Micael começou na adolescência a estudar saxofone, violão e canto, mas foi na Índia, em 2009, que aprofundou seus conhecimentos na música, se apresentando em bares ao lado de músicos de vários lugares do mundo. “A música sempre foi uma importante ferramenta de expressão humana. Falamos e cantamos sobre o que sentimos, o que nos rodeia, nos inspira”, conclui.

Cada qual com sua bagagem artística, Karina e Micael se complementam. A afinidade passa pelas referências musicais dos dois, que têm em comum nomes como Rita Lee, Novos Baianos, Gil, Caetano e Mutantes. Micael cita Childish Gambino, The Police, Drake e Letícia Novaes; Karina inclui Nação Zumbi, Radiohead, David Byrne, Angus and Julia Stone e Gus & Vic na sua lista.

Toda essa diversidade está presente no álbum de estreia do Flor de Sal, já disponível nas plataformas digitais (Selo Farm). “Queríamos propor um percurso musical pelo nosso Brasil continental. O Rasta foi um produtor perfeito para esta proposta, pois transita com muita naturalidade entre os diversos ritmos brasileiros e nos ajudou a chegar num resultado sonoro no qual esta mistura fez todo sentido”, define Micael.  O empoderamento feminino e a liberdade de gênero são alguns dos temas do álbum, como pontua Karina: “Sinto um movimento crescente e maravilhoso de liberdade e destemor que independe de gênero. Cabe a cada um o direito de ser quem se é e fazer escolhas condizentes com a sua verdade”.

Depois do álbum, a dupla Flor de Sal lança agora o single e o vídeo clipe de “Amor de Eletricista”, já disponível no iTunes, Google Play, Deezer e Spotify. Também com produção musical de Filipe Rasta, o vídeo foi gravado no IED (instituto Europeu de Design) do Rio de Janeiro, com direção de Ruslan Alastair. O cenário foi a intervenção “Cassino”, de Heleno Bernardi, que cobriu o local com uma tonelada de purpurina dourada, lembrando os dias de glória do icônico Cassino da Urca. “Amor de eletricista foi a primeira música composta pela gente. Fala de acordar e pensar sobre o que nos espera, dos encontros elétricos do carnaval de rua, sem lei e sem senhor”, conta Micael.

Do repertório do álbum, “Adoro” é um funk que reverencia as mulheres e traz como participação especial a jovem cantora Lila, autora do hit feminista “Não é Não”. “Glorioso”, é uma releitura do hino do bloco de samba “Meu Glorioso São Cristovão”, de Leandro Donner, agora em versão bossanovista. O baião “Amuleto” fala de fé, talismãs, objetos de proteção. Já Tupi” faz uma ode aos nossos ancestrais – indígenas, europeus e africanos -, traduzindo palavras do idioma tupi para o português, em ritmo de ijexá.  O suingue latino surge em “Roda”, que fala das revoluções e evoluções que nos permitem escolher fazer o bem. A canção que traz o nome da banda, “Flor de Sal”, é um jogo de palavras que remete ao processo criativo. Falando em encontros, “Todo Mundo” é uma criação coletiva. Pelas redes sociais, a banda convidou os fãs para enviarem palavras que se transformaram em uma canção que abraça e faz cantar junto.

O show da banda Flor de Sal já passou pelo MECA Inhotim, evento multicultural que aconteceu no maior museu de arte contemporânea a céu aberto do mundo; depois marcou presença no galpão da Criolina, em Brasília, e também no Rio, Porto Alegre e São Paulo. Com menos de um ano de existência, além dos shows, FLOR DE SAL foi eleita uma das finalistas na categoria “new talent” da edição de 2017 do DMX Brasil, o maior evento de música digital do mundo. A próxima parada é o Festival Bananada, em Goiânia.

Como Flor de Sal, a dupla afina ainda mais suas intenções musicais. “Compor e tocar com a Karina é sempre uma honra e um grande aprendizado. Além de ser linda e muito divertida, a bagagem e técnica musicais dela são impressionantes.. Em 2017 compusemos mais de 40 músicas juntos e queremos compor muitas mais”. Karina arremata: “Nossa parceria nasceu antes de sequer pensarmos em ter um projeto juntos. Temos uma troca muito bonita e sinto que ambos cuidamos da relação com muito carinho, pra que só melhore com o tempo”. 

Veja Também