Cor de Rosa millennial inspira projetos da Casa Cor Goiás

Pigmento é tendência não só em residências, mas em ambientes comerciais, e está presente na mostra deste ano

Postado em: 09-05-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Pigmento é tendência não só em residências, mas em ambientes comerciais, e está presente na mostra deste ano

Por Clara Luiza Domingos ESPECIAL PARA O HOJE

Continua após a publicidade

Os tons de rosa parecem ter chegado sem previsão para sair de cena. O rose quartz, eleito pela Pantone a cor do ano de 2016, ao lado do azul serenity, não foi superado nem mesmo com a escolha da cor de 2017, greenery. De lá para cá, a cor foi explorada em muitos campos, seja na moda, maquiagem ou decoração. O tom rosa millennial se sobressaiu e recebeu destaque em exposição de relevância mundial, o Salão do Móvel de Milão 2018.

A Casa Cor, maior vitrine das novidades no campo da arquitetura e design de interiores da América Latina, comprova o trend alert. A versão goiana da exposição, Casa Cor Goiás, tem mostrado ao público os diferentes usos do rosa e seus derivados. O tom está presente por toda a casa, desde pequenos elementos, como almofadas ou mesas laterais, até espaços completamente tomados pela cor, como o Studio do Bebê, das arquitetas Rubya Zottele e Rhayssa Guerra, e também A Espera dos Consultórios, da designer de interiores Larissa Leite.

Tons de rosê

Foi um pouco antes das novidades expostas no Salão do Móvel de Milão que a cor conquistou Larissa Leite. Até então, o rosa não era muito presente em suas criações. “Estou apaixonada. O tons de rosê me trazem leveza, sensibilidade, aconchego. Acho chique”, conta a designer de interiores. O resultado desse namoro pode ser conferido no ambiente A Espera dos Consultórios, em que a profissional ousou e acertou no tom sobre tom. O projeto pensado para driblar a sensação de ansiedade que toma o paciente em uma sala de espera atingiu seu objetivo com as cores escolhidas, como rosê, bordô e o neutro. 

A cor, antes associada ao universo feminino, também ganhou novo caráter. “O rosa evoluiu e se tornou o millennial, que também cresceu e deixou de ser agregada a um único gênero, como era de costume. O tom representa uma geração”, explica a arquiteta Rubya. Como o próprio nome sugere, o novo ‘queridinho’, inicialmente, representava a geração Y ou geração millennium e se afirmava como um tom nostálgico da infância – para outros. Mas o sucesso fez o rosa ir além e integrar diferentes meios. 

Combinar a cor não é difícil. No Studio do Bebê, por exemplo, o cinza foi o eleito para compor a matiz no universo infantil. “O cinza interage muito bem com todas as cores, em especial com o rosa, que está super em evidência”, argumenta Rhayssa, parceira de Rubya na criação do projeto para a mostra. “O rosa transmite sensações de calmaria, serenidade e paz, exatamente o que queríamos traduzir no “Studio do bebê”, complementa Rubya.

O rosa, porém, recebeu pontos de contraste em ambos os projetos, estabelecendo o toque de ousadia, cuja mostra carrega em sua essência. A vegetação foi o ponto primordial na criação de Larissa, Rubya e Rhayssa. “O verde é a cor complementar do rosa, usado nas plantas. Então, além de filtrar o ar, contribui para o bem-estar, contrasta da melhor maneira possível com a matiz, e cria uma atmosfera ousada e harmônica”, afirma Larissa.

Espaços

A Espera dos Consultórios – A designer de interiores Larissa Leite foi em busca dos sentimentos que tomam conta de um paciente momentos antes de uma consulta médica e percebeu, ali, uma boa dose de ansiedade. Pensando assim, a designer elaborou um projeto que driblasse essa sensação e que pudesse contribuir para que o momento da espera fosse tranquilizante e trouxesse paz. Para isso, Larissa escolheu uma paleta em que predominam cores leves e calmantes, como o rosa, o pêssego, o cinza e o cru, perfeitamente aplicadas no mobiliário flexível e minimalista, fugindo do padrão hospitalar. 

A ‘namoradeira’ em tom bordô, posicionada em frente à janela, é um convite para admirar a vista do 40º andar do prédio que abriga a mostra e fazer da espera um momento de relaxamento. As grandes janelas também permitem que a luz natural adentre o espaço e garanta a leveza e a suavidade da sala e, para além, fomenta a vida do jardim interno que enfatiza a atmosfera positiva e feliz proposta pela artista, já que as plantas desempenham um papel fundamental na melhora do humor. O espaço multiuso ainda contempla uma estação com mesas e cadeiras que podem ser usadas para trabalho ou outro passatempo que alivie a tensão do esperar.

Studio do Bebê – Participando pela primeira vez da Casa Cor  Goiás, as arquitetas Rubya Zottele e Rhayssa Guerra apresentam o Studio do Bebê, espaço de 27m². O espaço tem estilo contemporâneo e prima pela simplicidade aliada à funcionalidade, associadas às novas tendências de materiais e elementos arquitetônicos e decorativos. Embora seja projetado para bebês, a proposta das arquitetas contempla a versatilidade, no sentido de ser duradouro o suficiente para acompanhar o crescimento da criança. As profissionais apostam na ousadia e na personalidade marcante do ambiente, que foi planejado para que, à medida que a criança cresce, o berço possa ser substituído por uma cama, e o espaço possa transformar-se em um quarto de menina. Em termos se elemento, a essência do projeto é o uso do metal cobre na estrutura, que funciona como iluminação indireta principal, assim como na estrutura que sustenta o berço e a cômoda.

O projeto se baseou em uma paleta de cores neutras, como o cinza e o branco, associados ao rosa bebê e ao cobre dos metais. No piso, uma combinação entre o aconchego da madeira natural sob a forma de tacos tauari, elemento sustentável, e a leveza do porcelanato. No mobiliário, berço, sofá cama e poltorna, conjunto de mesas laterais e cadeira. A decoração com bonecas, pássaros, pele de carneiro e crochê proporcionam o efeito lúdico do ambiente. As bonecas são um charme à parte. Com uma ‘pegada’ moderna, o Studio do Bebê é uma alternativa à maioria dos quartos de bebê, geralmente projetadas em estilo clássico, com o uso de provençal, modernidade que se reflete na utilização do metal cobre que influi no equilíbrio e na iluminação do espaço. 

Veja Também