Espetáculo voltado para bebês é apresentado em Formosa e Anápolis

Projeto ‘Achadouros’ se inspira na poética de Manoel de Barros

Postado em: 11-05-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Projeto ‘Achadouros’ se inspira na poética de Manoel de Barros

SABRINA MOURA*

Continua após a publicidade

Os Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis) das cidades de Formosa (GO) e Anápolis (GO) recebem, nos dias 11 e 25 de maio, o projeto Achadouros – Teatro para Bebês.  Crianças de 6 meses a 3 anos de idade são o alvo do espetáculo. Em Formosa, o Cmei Eduardo Nunes Martins receberá duas apresentações, neste dia 11, e Anápolis receberá, no Cmei Iris Rezende, no dia 25.

O espetáculo inspirado no livro Memórias Inventadas – Para Crianças, de Manoel de Barros, é de adaptação e criação teatral de um trabalho autoral colaborativo entre o diretor José Regino, as atrizes Caísa Tibúrcio e Nara Faria.

Durante o processo de criação, os idealizadores estudaram e mergulharam no universo infantil, que resultou em aprendizado o que foi essencial para a montagem do projeto. “Eu sempre tive vontade de fazer um trabalho com a obra de Manoel de Barros, e chamei a Nara Faria para poder fazer comigo. No primeiro momento, era inspirada na obra Memórias Inventadas, uma coletânea que reúne algumas poesias dele – Manoel de Barros – direcionadas para crianças. Foi quando começamos a ler e surgiu a ideia de fazer para bebês. Quando convidamos o diretor José Regino para participar, ele já tinha toda uma pesquisa e trabalhos voltados para esse público, que deram certo. A partir daí começamos a fazer coisas necessárias para o processo frequentar as creches, ler e observar as crianças; fomos construindo o espetáculo junto com eles, o ajustado com a audiência”, conta Caísa Tibúrcio.

Achadouros é título de uma poesia de Manoel de Barros em que ele esclarece que essa é a expressão dada a baús com ouro enterrados pelos holandeses, no Brasil, na qual ele se coloca como ‘…um caçador de achadouros de infância’. A peça remete às lembranças da infância, às memórias inventadas e vividas. Em cena, as descobertas ocorrem dentro de um universo que é a própria metáfora da vida, com nascimento, encontros e frustrações. Ao mesmo tempo, a dramaturgia traz à tona o mundo invisível e mágico, que extrapola a consciência cotidiana e ingressa no campo das sensações e emoções comuns à humanidade. “Nos inspiramos na obra dele e recriamos esse universo. Muitas pessoas que vão assistir ao espetáculo percebem o Manoel. Nós usamos a imagem poética. O Manoel fala muito que tudo o que é lixo serve para poesia, ele fala isso das coisas encontradas no quintal, nós tentamos não criar uma dramaturgia que falasse de uma leitura só. Podemos criar em cima do que ele fala e escreve, e procuramos deixar esses espaços para o público também criar essa dramaturgia”, comenta Caísa.

Manoel de Barros

Manoel Wenceslau Leite de Barros, natural de Campo Grande (MS), foi um poeta brasileiro do século 20, pertencente à Geração de 45, ao pós-Modernismo brasileiro, se situando mais próximo das vanguardas europeias do início do século. 

As atrizes e o diretor ressaltam que a ‘poesia manoelística’ foi essencial para a criação de um espetáculo direcionado à primeira infância, pois Manoel enunciava que as crianças estão em ‘estado de poesia’. O próprio poeta declarava que ‘só teve infância’ ao explanar sobre o olhar criativo e inventivo que sua poesia propõe. “Os bebês, como os poetas, estão em estado latente de maravilhamento e expansão do olhar, quando a linguagem e o corpo estão ainda brincando na sua formação”, explica a atriz Caísa.

O espetáculo convida o público a se aventurar com as atrizes em seu ‘quintal imaginário’. Num pequeno cercado de madeira, envoltas em mais de 4 mil sacolas plásticas que compõem o cenário de Chico Sassi, as atrizes conduzem os espectadores a uma arqueologia das memórias da infância e apresentam a cada um a possibilidade de escrever sua própria história. “Temos uma formação de plateia muito forte, afinal os bebês são o nosso futuro público e leitor, acreditamos neles e nas suas representações poéticas. Eles têm uma capacidade poética muito forte. É preciso acreditar nos bebês e nas crianças, que acabam sendo ignorados pelas pessoas. Buscamos nos conectar com eles e, muitas vezes, percebemos que os adultos também acabam conectados com a sua infância”, comenta Caísa sobre a importância do espetáculo para o público.

Prêmios

Desde sua estreia em Brasília, em 2015, a peça circulou por diversos estados e integrou a programação de vários festivais como o II Festival Primeiro Olhar – Festival Internacional de Teatro para a Primeira Infância do DF (mostra associada ao Festival Cena Contemporânea 2015); participou da Primavera do Teatro – Mostra para Infância e Juventude, em Brasília (DF), e do 5º Engatinhando Londrina (PR), da Mostra Espetacular – Mostra de Arte para Crianças em Curitiba (PR), dentre outros. 

O espetáculo foi contemplado com o Prêmio Sesc do Teatro Candango 2015 como Melhor Espetáculo Infantil, e em março de 2018, recebeu Menção Honrosa no Prêmio CBTIJ, no Rio de Janeiro. O projeto de circulação até Cuiabá foi concebido em 2016, ano em que Manoel de Barros completaria 100 anos, como forma de homenageá-lo, e agora sai do papel.  “É uma alegria comemorar as 100 apresentações de Achadouros, durante a temporada, que concebemos para celebrar os 100 anos de Manoel de Barros”, destaca Nara.

O projeto foi contemplado pelo fomento do Fundo de Apoio à Cultura, da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. Suas apresentações fazem parte da circulação do espetáculo pela região Centro-Oeste e traça um percurso emblemático partindo do Distrito Federal (Brasília, Santa Maria, Recanto das Emas e Samambaia), passando por Goiás (Formosa e Anápolis), e seguindo até Mato Grosso (Chapada dos Guimarães e Cuiabá), cidade de origem do poeta Manoel de Barros.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov  

SERVIÇO

Projeto ‘Achadouros’ – Teatro para Bebês

Quando: 11 de maio de 2018 

Onde: Cmei Eduardo Nunes Martins (Av. Universitária, nº 100, Setor Nordeste – Formosa-GO)

Quando: 25 de maio de 2018 (sexta-feira)

Onde: Cmei Iris Resende (Praça Central, Jardim Gonçalves – Anápolis-GO)

Programação: www.achadouros.com 

Veja Também