Compradores asiáticos querem o algodão goiano

Estado se destaca pelo alto grau técnico e por seu modelo de sustentabilidade, baseado em modernas práticas agronômicas e com alta adesão dos produtores

Postado em: 01-09-2016 às 15h15
Por: Redação
Estado se destaca pelo alto grau técnico e por seu modelo de sustentabilidade, baseado em modernas práticas agronômicas e com alta adesão dos produtores


Uma comitiva composta por 11 representantes de grandes empresas asiáticas consumidoras de algodão está no Brasil até o dia 3 de setembro. O objetivo é promover o algodão brasileiro para o mercado externo, evidenciando suas características de rastreabilidade, qualidade e sustentabilidade. Os visitantes passarão pelos três maiores estados produtores: Mato Grosso, Bahia e Goiás.
 
O grupo estará em Goiânia nesta quinta e sexta-feiras, dias 1º e 2 de setembro.
Vindos da Bangladesh, China, Coreia do Sul, Índia, Tailândia e Vietnam, as empresas representam um potencial de compra equivalente a mais de 70% de toda a exportação brasileira de algodão. Já os países representados por esses compradores estão entre os 10 maiores importadores desta commodity do Brasil, e responderam, em 2015, por quase 50% da exportação nacional da fibra. “As missões de compradores ao Brasil têm se mostrado uma excelente estratégia de aproximação e desenvolvimento de negócios. E será especialmente importante nesta safra que tem previsão de superar em 19% o volume de exportação em relação à safra anterior”, afirma João Carlos Jacobsen, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa).
 
De acordo com o International Cotton Advisory Committee (Icac), as exportações brasileiras de algodão para a safra 2015/2016 devem totalizar um milhão de toneladas. O Brasil é o terceiro maior país exportador de algodão do mundo, atrás apenas de Estados Unidos e Índia.
Ao longo dos anos, a cotonicultura brasileira tornou-se um modelo de negócio. Produzido em escala empresarial e dentro dos mais altos padrões de tecnologia, utiliza mecanização total do plantio à colheita e adota métodos de ponta em beneficiamento e armazenagem. Realiza análise e classificação de acordo com padrões internacionais e utiliza sistema de identificação e rastreamento de fardos. O Brasil destaca-se como líder mundial na produção de algodão sustentável.
 
Na safra 2015/2016, mais de 70% da produção receberam a certificação do programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e 67% receberam a licença de comercialização Better Cotton Initiative (BCI), confirmando o País como o maior fornecedor de Better Cotton para o mercado mundial. A Missão  Compradores é promovida pela Abrapa em parceria com as tradings ECOM, Louis Dreyfus Commodities, Reinhart e Cargil Cotton.
 
Goiás

Goiás é o terceiro maior produtor de algodão do País e na última safra produziu 43.4 mil toneladas de pluma. O estado se destaca pelo alto grau técnico e por seu modelo de sustentabilidade, baseado em modernas práticas agronômicas e com alta adesão dos produtores. Mais de 90% da pluma produzida pelo estado traz certificações ABR e BCI.
 
Nesta sexta-feira, 2, a comitiva asiática visitará o laboratório de análises de HVI da Associação Goiana dos Produtores de Algodão (Agopa). O laboratório é o mais moderno do Brasil em análises de HVI, com capacidade de condicionamento de 380 amostras por hora e 800 mil análises por ano.
 
Após conhecer o laboratório, a comitiva embarca para uma visita técnica na fazenda Pamplona, em Cristalina. A fazenda é considerada modelo de gestão em sustentabilidade e produtividade, tendo recebido, no primeiro semestre, o certificado ISO 14001 (Sistema De Gestão Ambiental); NBR 16001 (Sistema de Gestão da Responsabilidade Social); e OHSAS 18001 (Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional). Foto: Mayke Toscano/ Secom-MT (Goiás Agora)
 

Veja Também