Seminário discute uso de drones na agricultura

É importante que o produtor tenha profissionais qualificados para manusear os equipamentos

Postado em: 17-09-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
É importante que o produtor tenha profissionais qualificados para manusear os equipamentos

A Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater) participou junto a outras entidades o Workshop sobre uso de veículos aéreos não tripulados (vants) na agricultura, realizado no município de Rio Verde, nos últimos dias 13 e 14. O evento teve como objetivo atualizar técnicos, pesquisadores e estudantes do setor agropecuário sobre as aplicações da ferramenta aérea nas atividades agrícolas.
Durante o workshop, cerca de 200 pessoas acompanharam palestras sobre a utilização dos veículos em diversas áreas, o uso de vants ou drones nas atividades agrícolas e os critérios de regulamentação que ainda não foram estipulados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo o pesquisador da Emater Lino Borges as, informações repassadas comprovaram que “para manusear a ferramenta é necessário conhecimento”.
Ainda sobre as especificidades dos veículos, o pesquisador reitera que é viável ao produtor buscar profissionais que possam prestar uma assistência técnica qualificada. “Muitas vezes os produtores acreditam que basta comprar o drone e utilizá-lo, porém não é assim. É necessário conhecer os objetivos para a aquisição do material”. O pesquisador acrescenta que, “a partir do momento em que o técnico conhece os objetivos do produtor para a utilização do drone, ele poderá manusear de forma eficaz”.

Agregando conhecimento
Para o estudante de pós-graduação em Ciências Agronômicas do Instituto Federal Goiano (IF Goiano) em Rio Verde, Jeovane Nascimento da Silva, o evento foi relevante para sua formação. “Todas as informações foram muito importante. Tanto nos aspecto teórico quanto no prático, os palestrantes abordaram de forma objetiva o tema”, elogiou o estudante.
Segundo Jeovane, que é matogrossense e buscou em Goiás uma oportunidade de capacitação, a abrangência na utilização dos drones chamou atenção. “Um dos pontos mais impressionantes é a aplicabilidade desses veículos. Seja para saber o número de cabeças de gados e plantas, incidências de pragas e até mesmo para realizar o planejamento da propriedade, os drones são eficazes”, ressaltou.

Projeto
Uma das aplicações de veículos não tripulados na agricultura é no mapeamento de propriedades rurais. Por meio de uma câmera acoplada ao veículo, é possível ter uma noção precisa do número de plantas e da disposição da produção. Tal facilidade é um dos termos que justificam utilização da ferramenta em uma pesquisa realizada pela Emater, em parceria com as Universidades Federais de Goiás e de Brasília.
O trabalho realizado pelas entidades consiste na utilização de imagens obtidas por meio de um vant que sobrevoa uma plantação experimental de tomates de mesa. O objetivo é que as imagens captem pragas que assolam a produção, até mesmo em sua fase inicial. “Estamos nas primeiras fases da pesquisa que são as coletas de dados. Posteriormente, agendamos uma visita até a UnB para aperfeiçoarmos códigos e talvez até a criação de um software específico para o monitoramento de pragas via drone”, explicou Lino Borges.
 

Veja Também