Empresários LGBTQIA+ conquistam espaço no mercado

Postado em: 04-05-2021 às 09h27
Focados no segmento que atende um público alvo, negócios dessa origem tem crescido também em Goiânia | Foto: Divulgação

Um pesquisa da inSearch Tendências e Estudos de Mercado mostrou que o potencial de consumo do público LGBTQIA+ (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros e outros) ainda não é explorado pelas marcas como poderia. Com uma população estimada em 18 milhões de pessoas no Brasil, 78% dos gays têm cartão de crédito e gastam até 30% mais em bens de consumo do que os heterossexuais. A renda elevada se explica pelas classes sociais em que estão inseridos: 36% pertencem a A e 47% a B, segundo pesquisa da inSearch Tendências e Estudos de Mercado.

Além disso, segundo a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes (Abrat-GLS), o público é responsável por movimentar cerca de R$ 150 bilhões por ano no Brasil. Conforme apontou levantamento da Assessoria LGBTQIA+ da Prefeitura de Goiânia, cerca de 15% da população goianiense pertence à comunidade. 

Mesmo sendo pouco explorado, há tanto quem invista neste mercado quanto quem busca por ele na capital goiana. Exemplo disso é a primeira loja de Goiânia com posicionamento voltado a este público LGBTQIA+, a “Inhaí? Look & Fashion” que acabou de inaugurar sua nova sede no Shopping Bougainville. Com investimento de cerca de R$ 70 mil no plano de expansão e transferência de endereço, os empresários Ademar Moura, Jullyano Mendes e Fábio Dias, têm a perspectiva de incremento nas vendas de até 120% durante 2021, com este espaço no centro de compras. 

“Quando idealizamos o projeto, nós aliamos a vontade de atender os interesses do nosso público, valorizando os desejos e necessidades, com a consciência de se tratar de um segmento com grande potencial de mercado. Hoje, mais de um ano depois, nós podemos dizer que demos início a um movimento que tem fortalecido a oferta de produtos e serviços destinados aos LGBTQIA+ na cidade. E podemos dizer que é algo que vem ampliando a representatividade a nível nacional, posicionando Goiânia dentro desse mercado em crescimento”, afirma Ademar. 

O acervo de moda mantém a aposta em marcas nacionais e produções próprias para todos os gostos e perfis, no espaço receptivo com playlist exclusiva, identidade olfativa e os ambientes instagramáveis que priorizam o aconchego e a praticidade, e se tornaram marca registrada da Inhaí. E para acompanhar o novo momento, entre as novidades está uma parceria com o artista goiano Hector Angelo, que desenhou os novos uniformes da loja com uma identidade visual repaginada e passa a integrar o acervo de arte da Inhaí com suas criações. 

Com o cenário de pandemia, a Inhaí levou o conceito de atendimento personalizado, parte fundamental da sua essência, também para o mercado digital. O investimento em tecnologia e o serviço de gestão de relacionamento com o cliente, garantiu o aumento nas vendas pelas redes sociais e através do site da loja, com entrega para todo o Brasil. De acordo com levantamento feito pela consultoria Ebit | Nielsen, o consumo do público LGBTQIA+ via e-commerce teve um aumento de 39% em 2020, se comparado ao ano interior.  

“A pandemia exigiu uma reinvenção de todos nós, adaptações que trouxeram desafios, mas também novas oportunidades. O digital funciona como uma extensão do que buscamos traduzir no nosso espaço físico”, garante o empresário. Ainda sobre os tempos atuais, a nova Inhaí abre as portas seguindo todos os protocolos de saúde e segurança desenvolvidos pelo Shopping Bougainville, com o uso obrigatório de máscara, controle do acesso de pessoas, disponibilização de álcool em gel e medidas de distanciamento.  

No mesmo sentido de negócios com representatividade, os sócios Lucas Cintra e Vinicios Borges (um arquiteto e um artista) inauguraram a “Bronze Vai Malandra”, @bronze.vm. “Nossa empresa surgiu em meio a pandemia como uma maneira de nos reinventarmos. Dois amigos gays que se encontraram distantes de suas profissões originais por motivos extraordinários, decidiram se unir e abrir um Espaço de Bronzeamento novo em Goiânia, com uma perspectiva bem diferente dos outros lugares do mesmo ramo na cidade”, contou Lucas.

A ideia, segundo o empresário, era conseguir abraçar, incluir, e criar um espaço agradável para (inicialmente) homens que não se sentiam bem vindos em centros de estética e beleza que são voltados, em sua maioria, unicamente ao público feminino. “Com isso, o Vai Malandra se tornou uma referência de empresa que adotou a liberdade de ser quem você é e se sentir bem independente de qualquer coisa. O público LGBT se tornou nosso principal foco, e assim criamos um local em que o lazer unido ao bem estar fosse um direito aos nossos clientes”, revelou Lucas.

Hoje, de acordo com os sócios, a empresa que possui quase um ano, não paramos de crescer. “Somos muito orgulhosos de nossa família Vai Malandra!”.

Por: Carlos Nathan Sampaio
Compartilhe: