Produtos de base agrícola respondem pela maior parte das exportações da indústria

Na indústria goiana de transformação, as vendas externas saíram de US$ 2,804 bilhões no acumulado entre janeiro e agosto do ano passado para US$ 3,340 bilhões, num avanço de 19,13%.

Postado em: 25-09-2021 às 09h15
Por: Lauro Veiga Filho
Na indústria goiana de transformação, as vendas externas saíram de US$ 2,804 bilhões no acumulado entre janeiro e agosto do ano passado para US$ 3,340 bilhões, num avanço de 19,13%. | Foto: Reprodução

O nível de complexidade de uma economia pode ser avaliado, entre outros critérios, com base no perfil de suas vendas externas. Economias mais diversificadas, com índices elevados de sofisticação e complexidade, anotam participação mais relevante de produtos de maior intensidade tecnológica em sua pauta de exportações e registram, como características centrais, uma indústria forte, com grande capacidade para inovar, assim como serviços de alta especialização, relacionados à fronteira do conhecimento.

Na posição radicalmente inversa, aquelas com baixa participação de produtos tecnologicamente mais sofisticados e de valor agregado mais alto encontram-se invariavelmente em posições inferiores no ranking global do desenvolvimento econômico. Vale dizer, são economias que enfrentam dificuldades para avançar aos estágios seguintes do processo de desenvolvimento, engendrando um crescimento baseado na incorporação de inovações produzidas de forma autônoma. Ao contrário, aquelas economias mantêm-se estagnadas no que muitos especialistas chamam de “armadilha da renda média”, demonstrando incapacidade para sustentar taxas de crescimento vigorosas por longo espaço de tempo, incluindo as massas de excluídos e necessitados ao longo do processo.

Observada à distância, muito embora sua fatia no geral venha recuando, a indústria de transformação de Goiás ainda respondia por mais da metade das exportações goianas no ano passado e chegou a multiplicar suas vendas externas em quase 14 vezes desde 1997. Sem uma avaliação mais criteriosa, o analista mais apressado poderia concluir que o Estado teria sido muito bem-sucedido no desafio de diversificar sua economia, agregar valor e criar um setor industrial relevante. Na verdade, a despeito dos esforços realizados em Goiás, a industrialização de sua economia, essencialmente agropastoril em suas origens, não se completou ainda.

Continua após a publicidade

Abaixo da média

A observação mais detalhada do comportamento das exportações do setor e de sua composição ao longo do tempo parece reforçar essa perspectiva. As exportações totais do Estado saltaram de US$ 475,436 milhões em 1997 para US$ 8,134 bilhões no ano passado, no mais recente recorde anotado pelo lado externo da economia estadual. Impulsionadas por dois ciclos de alta das commodities, o primeiro deles experimentado na década inicial dos anos 2000 e o segundo, mais recente, iniciado na segunda metade do ano passado, as vendas externas saltaram 1.611% no intervalo analisado. A indústria de transformação elevou suas exportações de US$ 311,018 milhões para US$ 4,354 bilhões, num avanço de 1.296%, quer dizer, ligeiramente abaixo da média, o que fez a participação do setor na pauta goiana de exportações baixar de 65,61% para 53,53% entre 1997 e 2020. Além de ter sido inferior à taxa registrada pelo total das exportações goianas, o avanço foi puxado por três itens ou grupos: farelo de soja, carnes (de aves e bovina, congelada e resfriada) e açúcar.

Balanço

  • Em conjunto, aqueles três grupos observaram salto de 1.489% nas suas exportações, que avançaram de US$ 157,258 milhões em 1997 para quase US$ 1,630 bilhão em 2020. Sua participação nas vendas externas da indústria de transformação igualmente cresceu, saindo de 50,41% para 57,38%. Em linha com esses dados, farelo, carnes e açúcar responderam ainda por praticamente 58,0% do aumento acumulado no mesmo período pelas exportações totais da indústria.
  • A tendência tem se mantido nos primeiros oito meses deste ano, dado mais recente divulgado pelo Ministério da Economia. No total, como esta coluna já havia demonstrado (O Hoje, 18/09/2021), as exportações realizadas a partir de Goiás cresceram 13,47% na comparação com os mesmos oito meses de 2020, passando de US$ 5,786 bilhões para US$ 6.566 bilhões, o que sinaliza novo recorde para as vendas externas o Estado neste ano. No ritmo anotado até ali, foram acrescidas ao valor total exportado receitas cambiais de US$ 779,544 milhões.
  • Na indústria goiana de transformação, as vendas externas saíram de US$ 2,804 bilhões no acumulado entre janeiro e agosto do ano passado para US$ 3,340 bilhões, num avanço de 19,13%. O setor respondeu por um acréscimo de US$ 536,405 milhões às receitas de exportação, representando 68,8% do avanço anotado por todo o setor externo no período. A fatia da indústria nas vendas externas avançou de 48,45% entre janeiro e agosto de 2020 para 50,87% em idêntico intervalo deste ano.
  • A contribuição da tríade de produtos para o crescimento das exportações industriais aproximou-se de 57% ao longo deste ano, considerando sempre os dados acumulados até agosto. As vendas externas de farelo de soja, carnes e açúcar aumentaram 18,74%, quase em linha com o resultado médio do setor industrial como um todo. Para aquele conjunto de produtos, as exportações avançaram de qualquer coisa próxima de US$ 1,630 bilhão em 2020 para US$ 1,935 bilhão, preservando uma participação ao redor de 58,0% nas vendas externas totais da indústria goiana de transformação.
  • Na sequência, entre os itens com maior participação nas vendas externas da indústria de transformação, ferroligas e ouro, produtos de média e média-baixa intensidade tecnológica, registraram exportações, em conjunto, de US$ 712,101 milhões entre janeiro e agosto do ano passado e de US$ 789,228 milhões em igual período deste ano, em alta de 10,8% (ou US$ 77,127 milhões a mais). Sua fatia nas vendas da indústria recuou levemente, de 25,4% para 23,6%. Considerados em conjunto, farelo, carnes, açúcar, ferroligas e ouro contribuíram com 71,3% para o aumento das exportações da indústria até agosto deste ano e participaram com 81,55% nas receitas externas totais da indústria.

Veja Também