Como aproveitar as confraternizações sem entrar em 2022 no vermelho?

Postado em: 25-12-2021 às 16h00
Por: Redação
Com o alto preço dos produtos e da inflação, muitos brasileiros podem entrar em 2022 no vermelho. | Foto: Reprodução/Internet

Por Vitória Coimbra

É inegável que as festividades de final de ano nos aproximam de amigos e familiares e, após um longo ano de pandemia, as datas tornaram-se ainda mais significativas. Apesar de todas as celebrações, as datas podem ser sinônimo de gastos, já que além da ceia é comum as pessoas presentearem amigos e familiares com presentes.

Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), a ceia natalina está 5,39% mais cara comparada à de 2020. Os itens que mais aumentaram ao longo do ano e que podem pesar no bolso do consumidor são: os frangos inteiros, ovos, azeitonas, azeites e carne vermelha, que são itens utilizados na ceia. O contador Paulo Sousa, afirma que dá para fazer uma boa ceia e economizar.

“Você não precisa fazer uma ceia grandiosa que vai sobrar e você vai comer nos outros dias. Compre para a ceia o que for necessário e procure não comprar coisas supérfluas, como por exemplo o peru e as frutas cristalizadas. Você pode manter no frango que é algo que você já está acostumado e usar uva passas ao invés da tâmara. São substituições que você faz que acaba fazendo com que você gaste menos”, diz o contador.

Dezembro é seguido de um longo mês de ofertas e Black Friday, com isso muitos acabam se endividando no último mês do ano e entrando no ano seguinte não com dívidas passadas, mas com dívidas recentes. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), afirma que o percentual de famílias brasileiras endividadas passou de 70%. Em um levantamento feito no meio desse ano, um em cada quatro brasileiros não conseguem quitar suas dívidas no prazo.

Confira algumas dicas para você economizar nas confraternizações de final de ano e conseguir entrar em 2022 sem dívidas ou sem dinheiro no bolso:

  1. Pesquise antes de comprar

Felizmente, temos a internet em nosso favor para poder pesquisar e comparar preços e produtos? Podemos ver os valores de pousadas, de um presente para algum familiar ou até mesmo um conjunto de roupa para usar na noite de celebração. Por isso, pesquise bem antes de sair comprando.

Além de pesquisar na internet, olhar nas lojas físicas também é uma boa opção para quem quer economizar. Muitas fazem liquidações rápidas ou oferecem descontos e/ou brindes para cada valor em compras.

  • Se planeje antecipadamente

Parece bobeira, mas muitos acabam criando dívidas por conta de não se planejarem na hora das compras. Com o salário e o 13º que chegam para dar uma aliviada no bolso do trabalhador, é importante sentar e estipular um valor determinado para cada área, por exemplo, R$ 1500 serão para aluguel e contas básicas como água, luz, telefone, internet e aluguel, o que sobrar dividir entre a alimentação e, se quiser, os presentes para a família.

  • Divida os gastos

Se optou em fazer a confraternização em casa, é fundamental fazer um levantamento para saber quantos convidados serão convidados para ter a quantidade de comida e bebida necessária para evitar desperdícios. Além disso, uma boa opção para gastar menos é pedir para que cada convidado fique responsável por algo, uma bebida, um prato ou uma sobremesa.

  • Não parcele suas compras

Pode parecer bobeira, mas parcelar pode gerar uma grande bola de neve que irá pesar no bolso do consumidor no próximo ano. Por isso, evite parcelar suas compras, seja presente ou alimentação, no cartão de crédito.

O início do ano é marcado por contas essenciais como IPTU, IPVA, férias, matrícula e material escolar dos filhos fazendo com que gaste ainda mais e deixando as outras contas de lado. Por isso, opte por pagar todas as suas compras à vista.

  • Compre o necessário

Reveja sua lista do que quer comprar e separe-a por ‘Eu Quero’ x ‘Eu Preciso’. Evitando gastos desnecessários, muitos conseguem poupar dinheiro e evitar dívidas bobas. “Eu preciso comprar uma televisão nova porque todo mundo está trocando ou eu consigo ver o que eu quero e preciso na que já tenho? Eu preciso comprar um celular novo ou o que eu tenho dá para ligar e consegue fazer tudo o que eu preciso?”, disse Paulo Sousa. (Especial para O Hoje)

Compartilhe: