Consumidores pretendem gastar mais do que podem com as compras de Páscoa

Postado em: 16-04-2022 às 16h00
Por: Jennifer Neves
Do total de pessoas que vão aderir às compras no feriado 8% preferem deixar de pagar alguma conta para comprar os produtos; veja dicas para controlar as dívidas | Foto: Reprodução

A Páscoa sempre foi uma das datas mais importantes de todo o calendário, pelo significado cristão da ressurreição de Cristo, pelo descanso vindo com o feriado e pela possibilidade de presentear pessoas queridas com deliciosos chocolates. Acima de tudo, hoje a data é também um grande símbolo do capitalismo. Portanto, é preciso tomar cuidado com os gastos para que dívidas evitáveis não sejam feitas. 

Dados recentes mostram que grande parte dos brasileiros têm se endividado com o cartão de crédito comprando alimentação básica nos supermercados. Em março deste ano, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), chegou a 1,6%, maior registro desde 1994, quando o Plano Real foi colocado em prática. 

Em um outro balanço divulgado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), ficou registrado que 64% dos consumidores pretendem fazer compras de Páscoa, comprovando que por mais que a inflação esteja atingindo aumentos recordes, algumas pessoas vão se permitir fechar o mês no vermelho para agradar aos familiares e não deixar o dia passar em branco. Exemplo disso, é a auxiliar administrativa, Sandra Helena Rocha, de 57 anos. Ela possui conta de celular, internet e outros boletos em atraso e não planeja pagá-los este mês, para comprar ovos de Páscoa para os três netos.

“Eu sei que não deveria, mas com a pandemia pude vê-los tão pouco. Sou asmática e mal colocava o pé para fora de casa. Os ovos de Páscoa que vou dar a eles é apenas um gesto do amor imenso que tenho por meus netinhos e também uma forma de matar a saudade que acumulou com os dois anos de pandemia, que foram praticamente perdidos”, diz. “Sei que vou me endividar um pouco mais, mas a partir do próximo mês, vou dedicar a cortar gastos, pagar minhas contas e me recuperar financeiramente”, acrescenta.

Questionada sobre o tipo de chocolate com que vai presentear os netos, a auxiliar administrativa afirma que vai procurar por embalagens coloridas ou de personagens. “Eu ainda tenho um pouco de juízo. Dentro dessas condições, vou comprar o mais barato, mesmo que seja dos menores”. 

Ainda segundo a pesquisa feita pela CNDL e SPC, o mais preocupante é que 30% do total de consumidores que vão aderir às compras de Páscoa possuem contas em atraso. Desses, 62% estão com o nome sujo. Ainda, 25% admitem que vão gastar mais do que podem, além dos 8% que preferem deixar de pagar alguma conta para comprar os produtos, como é o caso de Sandra Helena . 

Segundo diz o economista Paulo Rogério Freitas, nenhum desses comportamentos são aconselháveis. “A minha dica é sempre pagar primeiro as contas. É o mais importante. Principalmente as de energia elétrica, água e cartão de crédito. O dinheiro que sobrar depois de quitar as dívidas prioritárias, pode ser utilizado nesses gastos secundários. É preciso planejar, fazer anotações, escolher além da marca e optar pelo pagamento à vista”, diz .  

Em casos como o de Sandra Helena, o economista afirma que para não se ter tanto prejuízo, a pessoa faça cálculos. “Contas simples podem fazer a diferença. Por exemplo, estipular um teto de gasto e dividir o total desse valor pela quantidade de pessoas que serão presenteadas. Se tenho R$ 200 reais e vou comprar presentes para três pessoas, cada uma delas recebe um ovo de chocolate aproximadamente de R$ 66” explica. 

Ele também aponta para os ovos caseiros. “Existem muitos pequenos empreendedores que aproveitam a época para fazer uma renda extra. Além de os ovos de Páscoa artesanais serem muito saborosos, é uma ótima oportunidade de incentivar e aquecer a economia local”, diz. 

No caso das pessoas que vão presentear crianças com chocolates, a dica é não levá-las para os supermercados ou lojas. “É melhor entender o que a criança espera ganhar e, a partir disso, procurar o que melhor cabe no orçamento. Elas podem insistir muito em algum produto que no momento você não pode pagar e induzir a uma compra errada. Outro ponto, é evitar ovos com brinquedos dentro, normalmente, são mais caros que os outros mais básicos”, ressalta. 

Por último, Paulo Rogério aconselha fazer pesquisa antes das compras. “Tem que verificar em vários locais. Se possível, fazer uma tabela de preços e comparar. Existem variações de preços absurdas de um local para outro, na venda do mesmo item. Procurar por produtos em bairros menos elitizados também pode ajudar bastante”, finaliza.

Compartilhe: