Alimentação e despesas pessoais elevam inflação de Goiânia

Produtos que tiveram maior aumento de preço foram o feijão carioca, a cebola e o repolho. Maior alta na parte de despesas pessoais foi nos ingressos para as jogos de futebol

Postado em: 10-05-2018 às 15h50
Por: Victor Pimenta
Produtos que tiveram maior aumento de preço foram o feijão carioca, a cebola e o repolho. Maior alta na parte de despesas pessoais foi nos ingressos para as jogos de futebol

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Goiânia mantém a
tendência de alta registrada desde o início do ano. Segundo levantamento do
Instituto Mauro Borges (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan),
o IPC fechou em alta de 0,16% em abril, acumulando 0,76% no primeiro
quadrimestre de 2018.

Em abril, o índice foi influenciado, principalmente, pelo
grupo Alimentação (0,56%) e Despesas Pessoais (1,56%), que inclui itens que vão
do corte de cabelo ao preço dos ingressos para o Campeonato Goiano de Futebol.
Também registraram elevação os grupos Comunicação (0,6%), Artigos Residenciais
(0,53%), Educação (0,52%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,35%) e Vestuário (0,2%).

Continua após a publicidade

Em relação ao grupo Alimentação, os produtos que tiveram
maior aumento de preço foram o feijão carioca (8,92%), a cebola (21,77%) e o
repolho (15,75%). Houve, ainda, aumento no preço da carne, macarrão, laranja e
leite. Comer fora de casa também está pesando mais no bolso do consumidor, pois
a refeição por quilo ficou, em média, 0,43% mais caro.

Com a alta nos alimentos, o goianiense teve de gastar mais
para adquirir uma cesta básica. Em abril, a alta foi de 0,6%, chegando a R$
296,37 para uma pessoa. Em março, a cesta básica custava R$ 294,59. Apesar da
alta em abril, no quadrimestre a cesta básica tem uma variação negativa de
0,67%.

Despesas

No grupo Despesas Pessoais, a maior alta foi nos ingressos
para as jogos de futebol, que tiveram reajuste médio de 71,49%. Os gastos com
corte de cabelo feminino (4,36%) e pedicure (4,92%) são outros itens que
subiram. Os brinquedos (8,26%) entram na lista dos itens cujos preços foram
elevados em abril.

Outro grupo importante que teve alta foi o de Saúde e Cuidados
Pessoais (0,35%). Neste grupo, os medicamentos tiveram reajuste de 0,51%. As
consultas médicas foram reajustadas em 1,39%. Papel higiênico (2,75%) e xampus
(1,14%) integram a lista dos produtos com aumento de preços.

Em compensação, alguns grupos tiveram baixa em abril, segundo
o IMB. É o caso do grupo Habitação, que registrou baixa de (-1,07%). Entre os
produtos que compõem este grupo, destaque para a energia elétrica (-4,92).

O grupo Transporte foi outro que deu uma aliviada para o
consumidor, principalmente por causa da queda no preço do litro do etanol
(3,3%), e da gasolina (0,67%).

Veja Também