Produção de soja impulsiona supersafra de grãos em Goiás

Postado em: 12-03-2021 às 09h20
Por: Augusto Sobrinho
Área plantada em Goiás deve expandir 2,7% em 2021; maior índice desde o início da pesquisa | Foto: Reprodução

Luan Monteiro

O
levantamento da Safra de Grãos 2020/21, divulgado pela Companhia Nacional de
Abastecimento (Conab), nesta quinta-feira (11/3), aponta um crescimento de 6%
para um volume estimado de 272,3 milhões de toneladas ou 15,4 milhões de
toneladas superior ao obtido no período anterior.

Já em
relação à estimativa realizada no último mês, houve um aumento de 4 milhões de
toneladas, graças principalmente ao crescimento de 6,7% na área de plantio do
milho segunda safra.

A
previsão para o cereal é de uma produção total recorde, com a possibilidade de
superar em 5,4% a anterior e atingir mais de 108 milhões de toneladas. O volume
histórico deve-se à participação distribuída em 23,5 milhões de toneladas na
primeira safra, 82,8 milhões na segunda e 1,8 milhão na terceira safra.

No caso
da soja, a cultura vem mantendo a tendência de crescimento na área cultivada.
Nesta safra, há possibilidade de crescer 4,1% em relação ao ciclo passado, com
uma área de 38,5 milhões de hectares e produção de 135,1 milhões de toneladas.

O feijão
também marca presença evolutiva e crescimento estimado de 1,6% na produção das
três safras, totalizando 3,3 milhões de toneladas. A primeira está em fase
final de colheita, já a segunda, em fase final de plantio. A terceira começa o
plantio a partir da segunda quinzena de abril.

Já para
o arroz, há uma redução de 1,9% na produção frente à safra anterior, com uma
produção prevista de 11 milhões de toneladas. Pouco mais de 10 milhões de
toneladas são colhidas em cultivo irrigado e 900 mil em sequeiro. O algodão
segue na mesma linha, com redução de 14,5% na área cultivada e produção de 6,16
milhões de toneladas de algodão caroço, correspondendo a 2,5 milhões de
toneladas de pluma.

Área total

A área de plantio apresenta um aumento de
3,6% sobre a da safra anterior, estimada atualmente em 68,3 milhões de
hectares. Após a colheita, principalmente da soja e do milho primeira safra,
são plantadas as lavouras de segunda e terceira safras e as de inverno em
sucessão, que totalizam cerca de 20 milhões de hectares.

Goiás

De
acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de fevereiro, a área
plantada de cereais, leguminosas e oleaginosas em Goiás deve aumentar 2,7%
frente a 2020, chegando a 5,98 milhões de hectares. O valor é o maior do que o
registrado no mês de janeiro, 5,94 milhões de hectares. Goiás tem a quarta
maior área plantada com grãos no país, atrás somente de Mato Grosso, Paraná e
Rio Grande do Sul. Os valores são preliminares e podem ser alterados no
decorrer do progresso das culturas.

Estimada
em 3,66 milhões de hectares, a área goiana de soja na safra 2020-2021 é 3,0%
maior que a área da safra anterior (3,55 milhões de hectares), sendo o maior
valor para área plantada da cultura no estado desde o início da série em 2006.
Em produção, são esperadas 12,37 milhões de toneladas, valor 2,5% menor que o
registrado na safra 2019-2020 (12,68 milhões de toneladas). Os dados são
preliminares e ocorrências durante o desenvolvimento das culturas poderão
modificar os resultados ao longo dos próximos levantamentos.

A área
de milho segunda safra estimada para a safra 2020-2021, por sua vez, é de 1,54
milhão de hectares, de acordo com o segundo Levantamento Sistemático da
Produção Agrícola de 2021. O valor é 1,9% maior que o registrado na safra
anterior, onde a área plantada era de 1,51 milhão de hectares. Em produção, são
esperadas 9,71 milhões de toneladas do grão de segunda no estado de Goiás, com
uma variação negativa de 3,9% em relação ao registrado na safra anterior. Os
dados também são preliminares, e ocorrências durante o desenvolvimento das
culturas poderão modificar os resultados ao longo dos próximos levantamentos.

Mercado

O algodão em pluma continua com um
cenário positivo no mercado internacional. Com isso, as exportações no
acumulado de janeiro a fevereiro aumentaram 6,4% em relação ao último ano. No
caso do milho, os embarques continuam lentos, com previsão de exportações em 35
milhões de toneladas para a safra atual, praticamente igual ao que foi
observado para a safra 2019/2020. Para a soja, estima-se a venda de 86,1
milhões de toneladas, com aumento de 3,7% em relação ao último ano. Caso se
confirme, será um recorde da série histórica. Já para o arroz, as exportações
em fevereiro estão em ritmo menor, comparado ao mesmo período do ano passado.
No acumulado do ano, houve queda de 56% no volume exportado, ocasionada pelo
menor nível de estoques em dezembro e baixa disponibilidade do produto no
início deste ano.

Compartilhe: