Por volta de torcida, Goiás e Vila Nova devem ir ao STJD

Postado em: 09-09-2021 às 20h25
Por: Breno Modesto
Assim como fizeram Cruzeiro e Flamengo, a dupla Goiás e Vila Nova deve ir ao STJD tentar uma liberação para a volta de suas torcidas | Foto: Rosiron Rodrigues/Goiás EC

Sem autorização da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para o retorno do público aos estádios, Goiás e Vila Nova buscam maneiras de terem a volta da torcida em seus jogos, como já aconteceu com Atlético-MG e Flamengo, na Libertadores, e o Cruzeiro, na Série B, competição em que ambos estão na disputa.

Assim como fizeram o Urubu e a Raposa, a dupla goiana, em busca de uma ação que lhes conceda a autorização para terem a volta dos torcedores aos seus respectivos jogos, pretende acionar o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) nos próximos dias.

Em sua conta pessoal no Twitter, o vice-presidente do Tigre, Leandro Bittar, postou que, assim que a Prefeitura de Goiânia autorizar o retorno do público aos eventos esportivos, o Colorado buscará a liberação imediata de seus torcedores em suas partidas. Ao jornal O Popular, o vice de futebol do Goiás, Harlei Menezes, afirmou que o Esmeraldino seguirá o mesmo rumo. Já a CBF pede paciência e entende que retorno deve acontecer somente quando todos os clubes tiverem o aval de suas respectivas prefeituras, algo que ainda não aconteceu.

No fim da tarde desta quinta-feira (9), o jornalista Rafael Bessa, da Rádio Sagres 730, informou que os primeiros jogos em Goiânia com a volta da torcida devem acontecer nos chamados “evento-teste” e que os primeiros sejam Goiás e Brasil de Pelotas, no dia 18, e Vila Nova e Confiança, três dias depois. No decreto, que ainda será publicado, a Prefeitura deverá liberar 1500 pessoas para cada uma das partidas.

Caso consiga mesmo a liberação, o Vila Nova, através de Leandro Bittar, em entrevista à Sagres, afirma que dará prioridade para os sócios-torcedores, que ficarão com 1200 bilhetes.

Compartilhe: