Agora no CSA, Renato Cajá relembra campanha do acesso em 2018: “Foi mais difícil”

O Goiás entra em campo na noite desta sexta-feira (15), para uma das nove partidas finais na reta final da Série B.

Postado em: 15-10-2021 às 16h24
Por: Victor Pimenta
Meio-campista entra em campo hoje buscando a vitória e visando o acesso, agora pelo clube alagoano | foto: Rosiron Rodrigues / Goiás

O Goiás entra em campo na noite desta sexta-feira (15), para uma das nove partidas finais na reta final da Série B. A equipe esmeraldina recebe às 21h30, no estádio Hailé Pinheiro, o CSA, atualmente em sexto e com uma diferença de três pontos para os goianos.

A equipe alagoana tem velhos conhecidos do torcedor do Goiás, como o lateral Ernandes, o zagueiro Lucão (esse suspenso na partida), o volante Geovane, o atacante Aylon e por fim, o meia Renato Cajá, um dos destaques do time esmeraldino em 2018, quando a equipe conquistou o acesso para a Série A.

“O Goiás é um clube que marcou minha vida sim, pelo acesso e pelas pessoas que trabalharam comigo, mas isso passa. Você vai encarnando o clube, vestindo a camisa do CSA e vai amando o clube qual está vestindo a camisa e agora minhas cores são azul e branco e só temos que batalhar por isso, por esse grupo aqui que vamos em busca de um acesso. O time tem condições para isso e estamos focados. Respeito o Goiás, mas temos que lutar por nossas coisas”, disse o meia-atacante.

Continua após a publicidade

Assim como em 2018, agora no CSA, Renato Cajá tenta mais um acesso, porém com outro uniforme. O time que vem embalado com quatro vitórias nos últimos cinco jogos está próximo do G-4 e o jogador aproveitou para comparar a campanha com do acesso com o Goiás, três anos atrás.

“Tem uma semelhança, mas no Goiás foi um pouco mais difícil, porque pegamos o time na zona de rebaixamento e batemos em último colocado. Pegamos uma sequência de nove jogos seguidos sem perder e aqui estávamos no meio da tabela, pessoal um pouco desacreditado e agora chegamos de vez para brigarmos pelo acesso e manter isso e batalhar para que a gente tenha jogos decisivos pela frente”, destacou Renato Cajá.

Veja Também