Thiago Carvalho descarta favoritismo em Goianão, mas afirma: “Acreditamos no trabalho para chegar lá”

Postado em: 15-12-2021 às 15h00
Por: Victor Pimenta
Treinador foi o entrevistado do Sem Censura da TV Brasil e falou mais sobre o título da Aparecidense na Série D | foto: Nicolle Mendes / Aparecidense

A Aparecidense segue se planejando para a temporada 2022 com renovações e contratações visando as disputas do Goianão, Copa do Brasil e Série C que terá em seu calendário. A primeira renovação do camaleão foi com o então treinador campeão da Série D, Thiago Carvalho, que concedeu uma entrevista ao programa Sem Censura, de Brasília, da TV Brasil e falou mais sobre esse tempo de clube e planos para o futuro.

Natural de Rio Verde, o treinador começou desde cedo jogando futsal na sua cidade e suas principais referências foram os treinadores que o treinaram ainda no começo de sua carreira, como João Paraná e Gercival Garcia, seu pai. Thiago Carvalho também buscou uma inspiração em Jorge Jesus antes mesmo dele chegar ao futebol brasileiro e comandar o Flamengo em 2019, por sua metodologia e estilo de jogo, além claro, de Pep Guardiola.

Até assumir o time principal da Cidinha, o treinador cuidava somente da equipe Sub-20 do clube e esperou sua oportunidade chegar. Antes mesmo da Série D, em 2020, começar, o então treinador na época Romerito, estava com covid, o que impossibilitou ele de comandar a equipe no primeiro jogo. Coube a Thiago Carvalho assumir a responsabilidade. Apesar da derrota na estreia, os dirigentes viram com bons olhos a permanência do mesmo, que acabou sendo de forma definitiva o técnico do clube.

Na edição de 2020, eu seu primeiro ano como treinador, Thiago Carvalho então levou à Aparecidense longe na competição, ficando próxima do acesso. Isso porque, no regulamento em questão acabou tendo um equívoco do mesmo e o time que enfrentaria o Floresta, acabou tendo que enfrentar o Mirassol, um dos favoritos e acabou caindo nas quartas-de-final, uma fase antes do tão sonhado acesso. Foram dez vitórias, cinco empates e cinco derrotas na competição.

“O Mirassol foi campeão e talvez fosse a principal equipe que a gente enfrentou ali e não tinha o critério de gols marcados, que costuma ter em todas as outras competições, então mudou uma posição nesse mata-mata do acesso. Prejudicou bastante sim e acho que poderia ter sido diferente, mas acho que tudo foi experiência para a gente conquistar esse acesso agora, juntamente com o título. Tudo tem o momento, por mais que a nossa equipe tenha feito um grande campeonato, mas acho que a hora é agora e nosso crescimento e preparação para chegarmos hoje, foi muito importante até nessa derrota para o Mirassol. Tudo tem seu tempo e tinha que ser agora mesmo”, disse o treinador.

Logo após a eliminação na Série D de 2020, à Aparecidense já teve que mudar a chave para focar no Goianão buscando novamente uma vaga na quarta divisão nacional. Classificada e passado tudo isso, o time foi muito bem no estadual de 2021, chegando às semifinais da competição. Porém, após o campeonato, muitos jogadores acabaram saindo devido a propostas de outras equipes e também o orçamento da Cidinha que teve que diminuir para se adaptar à Série D, assim, entrando o trabalho do treinador que juntamente com sua comissão, buscou jogadores capacitados para ajudar o clube na busca pelo acesso.

“Quando a gente fala em parte financeira que diminuiu bastante, temos que tomar cuidado porque parece que os meninos não tinham qualidade para estar ali e não era o caso. Tivemos que ter criatividade para poder estar pegando alguns jovens que precisavam de oportunidade e que encaixava no modelo e no perfil das características que eu queria e acabou dando muito certo. A gente teve uma dificuldade muito grande no começo e não foi fácil. Conseguimos montar e pegar cada peça certinha para encaixar dentro do jogo, da parte financeira também e foi fundamental isso. A galera que foi lá, chegou e se fortaleceram bastante juntos e isso é algo que não acostuma acontecer da maneira como eu vi e jamais vou ter um grupo igual esse com tanta parceria, tanta amizade e trabalho também”, ressaltou Thiago Carvalho.

O treinador foi o primeiro a ter seu contrato renovado visando a disputa da temporada 2022. Agora com um título de Série D no currículo, ele sabe que terá mais pressão, agora pela conquista do Campeonato Goiano, qual à Aparecidense ainda não tem em sua galeria de troféus.

“De fato a pressão é outra. Talvez a esperança de todos em ver a Aparecidense muito forte vai ser maior. As equipes que vão nos enfrentar, vão vir de outra maneira. Porém eu falo assim que o futebol antes do campeonato soma investimento. Então a Aparecidense não tem o investimento ainda para falar que vai ganhar o campeonato goiano ou que vai subir da C para a B e isso é um fato. Acreditamos muito que o trabalho vai fazer a gente chegar lá, mas de fato a Aparecidense ainda não é um clube com investimento tão grande que vai nos colocar como favorito no Goiano ou na Série C”, concluiu o técnico do Camaleão.

A estreia da Aparecidense no Goianão de 2022 acontece no dia 26 de janeiro, quando recebem no estádio Aníbal Batista de Toledo, às 20h30, horário de Brasília.

Confira a entrevista na íntegra:

Compartilhe: