Depois de uma experiência no Japão, Wellington Rato diz ter voltado mais experiente ao Dragão

Postado em: 20-01-2022 às 19h10
Por: Breno Modesto
O meia Wellington Rato está de volta ao Dragão depois de uma temporada no Japão | Foto: Isabela Azine

Mais um jogador que já vestiu a camisa do Atlético Goianiense está de volta ao clube. Depois de apresentar o volante Edson e o meia Jorginho, foi a vez do também meio-campista Wellington Rato ser apresentado pelo Dragão. No início da tarde de ontem, o atleta, que volta ao Rubro-Negro depois de ser emprestado ao V-Varen Nagasaki, do Japão, concedeu entrevista coletiva e falou a respeito da experiência fora do país.

Feliz, Rato comemora o retorno e diz que volta ainda mais experiente e “rodado”, o que poderá proporcionar mais confiança ao técnico Marcelo Cabo. Com uma forte concorrência na parte central do campo, ele espera corresponder à altura para que o Dragão conquiste seus objetivos traçados para a temporada.

“É muito bom estar de volta. Minha experiência no futebol japonês foi única. É um país onde eu nunca tinha ido. E poder ir para lá, conseguindo jogar e ter uma sequência de jogos, fazendo gols, foi muito importante para mim. E também para o amadurecimento da minha carreira. Foi uma experiência única. Agora, me sinto mais experiente, mais rodado. Posso dar mais tranquilidade para o clube, para o treinador. Espero corresponder à altura. Estou trabalhando firme para que seja um ano maravilhoso para nós”, disse Rato.

À vontade em qualquer uma das três posições ofensivas do meio de campo, Wellington Rato cita a concorrência de Jorginho, que também está de volta, e de Shaylon, novo reforço do clube, como boa para o clube. E, segundo o jogador, quem for escolhido por Marcelo Cabo, ajudará bastante o Dragão.

“Para mim, é um prazer ter o Jorginho de volta. Quando eu cheguei aqui, ele tinha acabado de sair. E agora, tem também o Shaylon, que chega para agregar. E o grupo ganha muito com isso. Se eu estiver bem, sei que vou poder ajudar em qualquer uma das posições. Vou trabalhar e buscar o meu espaço. Sei que a formação que o Cabo escolher será a melhor e estaremos bem servidos. Mas eu me sinto muito à vontade para jogar tanto nas extremidades quanto centralizado”, finalizou o meia.

Compartilhe: