Após interesse em Nuno Campos, Goiás avança em negociações com outro português, João Pedro Sousa, ex-Boavista

Postado em: 23-01-2022 às 17h55
Por: Victor Pimenta
Em sua melhor temporada, Sousa conquistou o sexto lugar de Portugal comandando o Famalicão | foto: Luís Vieira / Movephoto

O Goiás segue na busca por um treinador para a temporada 2022. A diretoria esmeraldina já sondou diversos treinadores estrangeiros no mercado e entre vários portugueses ligados ao time esmeraldino, a equipe ficou mais próxima do acerto com João Pedro Sousa, ex-Boavista, de Portugal.

Nas últimas semanas diversos nomes de treinadores portugueses foram ligados ao Goiás, porém, apenas três encaixaram no perfil buscado pela diretoria esmeraldina, que inicia o Goianão nesta quarta-feira (26) e enquanto não há acerto com nenhum técnico, Gláuber Ramos segue no comando.

Dos nove nomes colocados na mesa, três foram bem avaliados nas entrevistas com o dirigente Harlei Menezes e por se encaixarem bem no perfil do clube, são os mais próximos de um acerto com o Goiás para 2022: Jorge Simão, João Pedro Souza e Vitor Campelos. Os outros que chegaram a ser sondados, mas já descartados foram de Pedro Emanuel, Sérgio Vieira, Nuno Campos, José Morais, Miguel Cardoso, João Henriques.

Jorge Simão

O treinador de 45 anos foi auxiliar-técnico por dez temporadas antes de assumir um clube profissional de forma efetiva, na época o Atlético CP, na disputa da 2ª liga de Portugal. Ainda treinou clubes nacionais como o CD Mafra, Belenenses, GD Chaves, Sporting Braga e Boavista. O comandante também treinou equipes em outros países, como o Al-Fayha da Arábia Saudita e o RE Mouscron da Bélgica. Seu último clube foi o Paços de Ferreira, da elite portuguesa e que disputou na atual temporada a Conference League.

Vitor Campelos

Dos três nomes levantados, Vitor é o único ainda empregado, onde treina o GD Chaves, na disputa da 2ª Liga de Portugal. Com 46 anos, ficou seis anos como auxiliar em sua terra natal, mas logo auxiliou clubes asiáticos da Arábia Saudita, Emirados Árabes e Irã. Ainda treinou as equipes B do Videoton, da Hungria e Vitória de Guimarães, de Portugal. Em 2019/20 assumiu o time principal do Moreirense e na mesma temporada foi contratado para treinar o Al Taawon, da Arábia Saudita.

Nas últimas duas temporadas, Campelos está à frente do GD Chaves, de Portugal, onde em trinta e três jogos pelo clube, conseguiu catorze vitórias. Atualmente a equipe está na oitava colocação da 2ª Liga de Portugal.

João Pedro Sousa

O nome mais cotados dos três treinadores até então é do português que comandou por último o Boavista, na disputa da primeira divisão de Portugal. Com 50 anos de idade, Sousa tem dupla nacionalidade, sendo luso-angolano e foi auxiliar de equipes como Sporting Braga, Estoril Praia e Sporting, de Portugal, além de Olympiakos da Grécia, Hull City, Watford e Everton, da Inglaterra. Assumiu como treinador efetivo o Famalicão em 2019/20, onde ficou próximo de lvar a equipe para a disputa de uma competição internacional. Permaneceu mais uma temporada na equipe antes de assumir o Boavista, onde deixou a equipe que hoje está em 11º lugar da liga portuguesa.

O que agradou no perfil do treinador foram as formações favoritas dele, as quais agradam os dirigentes do Goiás, já que ele usa bastante o 4-4-2 e o 4-3-3, formação que o time esmeraldino adotou nos últimos anos. Ele tem mais de 40% de aproveitamento nos dois últimos clubes que comandou, o Famalicão e o Boavista.

Enquanto o acerto com o treinador não acontece, a estreia esmeraldina na temporada já tem data para acontecer, na próxima quarta-feira (26), o Goiás visita o Grêmio Anápolis, no estádio Jonas Duarte, às 20h30, horário de Brasília.

Compartilhe: