Celebrando as artes: Companhia goiana abre temporada de apresentações de circo, dança e teatro

Estudos sobre os chakras nortearam a idealização do Projeto Sombras

Postado em: 17-02-2022 às 09h07
Por: Lanna Oliveira
Estudos sobre os chakras nortearam a idealização do Projeto Sombras | Foto: Layza Vasconcelos

Há muitos anos se dedicando à pesquisas que unem diversas formas de fazer arte, a Companhia Corpo na Contramão apresenta uma intensa temporada de apresentações. A programação híbrida e gratuita, conta com seis solos que mesclam circo, dança e teatro. O Projeto Sombras foi criado a partir de um processo de estudos de chakras, e é exibido entre os meses de fevereiro e julho. O primeiro espetáculo acontece neste sábado (19), às 20h, transmitido pelo canal da companhia no YouTube.

Para comemorar os 30 anos de histórias, a Companhia Corpo na Contramão abre temporada de apresentações. Todos esses anos em função de realizar um trabalho de pesquisa em união de técnicas e linguagens, resultaram no Projeto Sombras. Thaisa Santoth, diretora e atriz, foi quem conduziu junto aos seis integrantes da Cia Corpo na Contramão, o processo de estudos sobre os chakras e sua aplicação neste trabalho artístico. O processo criativo envolveu muita arte circense, dança e teatro, mas também um olhar para as próprias emoções.

Encontros virtuais que aconteceram ao longo de 2021 formaram o resultado do Projeto Sombras. Na ocasião, o estado emocional de cada artista evidenciou como cada um passou pelos desafios da pandemia e da quarentena de uma forma diferente. Cada artista se identificou e se aprofundou em um ponto energético, o que gerou seis interpretações diferentes do processo de isolamento. As apresentações integram uma extensa agenda comemorativa aos 30 anos da companhia e têm o apoio da Lei Aldir Blanc 2021 e da Secretaria de Cultura de Goiás.

Continua após a publicidade

Os chakras, centros energéticos distribuídos ao longo do corpo, são os estudos norteadores dos seis solos criados. ‘Mágoas’, de Luís Rick, é o primeiro a ser apresentado e após a apresentação, haverá um debate com o público. Luis Rick aprofunda-se no estudo do chakra 4, cardíaco, responsável por nossas emoções e sentimentos. Neste solo circense, dirigido por Lua Barreto e Thaisa Santoth, Rick nos envolve em um processo de autoconhecimento a partir da necessidade de lidar com sua própria dor, confinado sozinho, mas preso às lembranças de outra pessoa.

O próximo trabalho a ser apresentado será ‘Ausência’, no dia 5 de março, um solo circense em que Lua Barreto representa uma mulher que sente o vazio devastador de perder um companheiro de forma precoce na pandemia. No dia 7 de maio, Thaísa Santoth apresentará ‘Inspira’, um solo criado a partir do chakra 5, da comunicação, expressão e auto aceitação. No dia 5 de junho será a vez de Zaf PKPopper apresentar ‘Refém’, um solo de street dance criado a partir da energia do sexto chakra, que traz reflexão e força. ‘Fragmentos’, com Luciano Di Freitas, é apresentado no dia 9 de julho, e o solo circense ‘Desejo’, com Cauê Marques, no dia 30.

Nos trabalhos da Cia o artista é que preenche o palco. Através de texto, voz e corpo procura-se criar em torno da figura do ator um pólo gravitacional irresistível ao olhar da plateia, buscando potencializar a sua expressão e minimizando, assim, os efeitos de cenário e figurino. A companhia também oferece aulas, tanto para adultos quanto para crianças, de circo (trapézio, lira, tecido, acrobacias de solo), teatro e yoga, sempre respeitando protocolos rígidos de biossegurança. 

Oficinas gratuitas para todos

A agenda da companhia para este semestre ainda oferece oficinas e outras apresentações. Em março, serão oferecidas gratuitamente, na sede da companhia, oficinas de danças circulares, no dia 6, e de gestão cultural para mulheres, no dia 19. A companhia ainda compartilhará com o público, em ensaio aberto, o espetáculo ‘Interfaces Aéreas’, trabalho que envolve as artes do circo, da dança de rua e da dança contemporânea e será lançado em março. Em abril, dia 2, ainda será oferecida oficina de malabares, voltada para o público infantil e com enfoque na utilização do material reciclado e reaproveitado. 

No dia 3, também voltada para as crianças, a companhia oferece oficina de instrumentos: flauta com garrafinhas de vidro, flauta com cano PVC e chocalho. No dia 9, será oferecida oficina de figurino a partir de materiais reciclados e reutilizados. No dia 10, a Companhia apresentará virtualmente o espetáculo infantil ‘Hocus Pocus’. No dia 18 de maio será oferecida a oficina ‘Inspira’, em que os participantes poderão explorar as possibilidades do corpo físico e emocional através do estudo dos chakras. No dia 5 de junho a companhia oferece uma oficina de Street Dance.

Veja Também