588 Art Show Galeria realiza evento em homenagem à inesquecível boate Jump

Comediante Nany People, madrinha do projeto, estará no evento compartilhando relatos de sua trajetória

Postado em: 25-02-2022 às 09h35
Por: Redação
Comediante Nany People, madrinha do projeto, estará no evento compartilhando relatos de sua trajetória | Foto: Reprodução

Por Elysia Cardoso

A The One Jump Dance Club fez sucesso em Goiânia nos anos 90, e até 26 de fevereiro, o público poderá recordar, ou conhecer, suas memórias, na mostra ‘Jump Expo Art Show 2022’, na 588 Art Show Galeria. Na oportunidade a galeria reúne uma programação com atividades presenciais e virtuais, com uma exposição fotográfica com memórias do espaço, debates sobre artistas e performatividade de gênero, literatura de gênero, políticas afirmativas, além de oficinas de criação para se tornar uma drag queen.

A comediante Nany People, madrinha do projeto, estará no evento compartilhando relatos de sua trajetória e debatendo sobre diversidade. Esta iniciativa conta com o apoio do Fundo

Continua após a publicidade

de Arte e Cultura de Goiás. Toda a programação é gratuita e terá tradução em Libras. A mostra Jump Expo Art Show é resultado da parceria entre Rodrigo Lima, gestor da 588 Art Show Galeria e proponente deste projeto, e Regina Perri, ex-gestora da boate e curadora da exposição. 

Rodrigo fez o convite à Regina tendo em mente três principais objetivos: recuperar a memória da Jump e evidenciar seu impacto na cena cultural goiana e brasileira, fomentar o debate sobre gênero e diversidade e manter viva e ativa a 588 Art Show Galeria, que já abrigou mais de 40 exposições e recebeu mais de 100 artistas. “A história da Jump e da Regina Perri também faz parte das minhas lembranças, do meu passado e do passado de muitas pessoas. Quero mostrar que momentos de alegrias, amizades, lazer, entretenimento noturno em Goiânia podem ser memorizados, eternizados e podem estar a mostra dentro de uma galeria de arte, dentro de espaços de cultura na cidade”, comenta Rodrigo.

Regina, que tem se deleitado em desenvolver a curadoria desta exposição, compartilha a importância de se recuperar as memórias da Jump e compartilhar com o público goiano 14 anos após o encerramento das atividades da casa. “Queremos dar luz ao acervo de imagens e sons que temos, que foram o reflexo de comportamentos e são o registro de momentos de um novo estilo de vida da época: a alegria!”, compartilha a empresária.

Programação 

Nesta sexta-feira (25), às 20 horas, a programação oferece uma mesa online com debate sobre ‘voz e visibilidade do gênero na arte’, com Larissa Mundim, diretora e coordenadora editorial da Nega Lilu, e Alexandre Augusto, idealizador do Cine-clube Zabriskie, com mediação de Regina Perri. Nesta conversa, Mundim vai compartilhar sua experiência com publicações de temática de gênero e Alexandre com dois projetos infanto-juvenis que envolvem filmografia de gênero, discussões e ações em escolas. Às 21h desta segunda noite, Baliane oferecerá a segunda parte da oficina ‘Sou uma queen’.

A noite de sábado (26) começa às 18 horas com uma live sobre memória, arte, políticas afirmativas e discussões sobre gênero e diversidade com a atriz e comediante Nany People;

Dra. Cristina Lopes, Secretária Municipal de Direitos Humanos e de Políticas Afirmativas, com mediação de Regina Perri. Às 19 horas haverá performance com a Top Drag Morgana Voguel, que contabiliza 16 anos de carreira, criada exclusivamente para a exposição. Em seguida, Victor Baliane é quem oferece uma performance desenvolvida para o evento dentro de sua oficina.

Quem estiver em casa, poderá acompanhar a transmissão ao vivo de um vídeo criado com imagens fotográficas e captações de imagens do processo de criação da exposição. Por fim, será aberta a Exposição Jump Expo Art Show 2022, com visitação monitorada pela gestora Regina Perri.

História 

Com um espaço físico mais aconchegante, menor e mais moderno, a Jump se alinhava a um momento “booming” mundial da diversidade: música, moda, arte, cultura e entretenimento em um único espaço.

‘A Festa Bye Bula’ inaugurou esta nova ‘era’ em Goiânia e, rapidamente, o artista plástico Adriano Valadares, a DJ Simone Junqueira e o colunista Fausi Humberto deram a cara nova ao clube. “A casa fez tanto sucesso que levou à uma consagração pela mídia nacional, sendo mencionada como ‘Divisor de Águas da Noite do Centro Oeste’. A Jump Dance Club ficou conhecida nacional e internacionalmente por realizar a verdadeira inclusão social de diversidade, raça e gênero”, comenta Perri.

O carro chefe da casa era a música: os DJs Felipe Venâncio, Mauro Borges, Zé Pedro e muitos outros tocaram neste espaço. A fotografia, é claro, era primordial: muito Glamour, alegria, risada, mixologia, e um ‘junto e misturado’ perfeito sempre registrado em fotografias”, relembra Perri se divertindo ao selecionar as imagens que vão compor a exposição da mostra.

Veja Também