Em celebração ao seu centenário, Aparecida de Goiânia ganha monumento artístico

Escultura assinada pelos artistas plásticos M. Cavalcanti e Felipe Cavalcanti tem seis metros de altura

Postado em: 10-06-2022 às 09h48
Por: Elysia Cardoso Ferreira
Escultura assinada pelos artistas plásticos M. Cavalcanti e Felipe Cavalcanti tem seis metros de altura | Foto: Divulgação

Com o intuito de levar a arte para perto da população e celebrar o seu centenário, Aparecida de Goiânia recebeu um monumento artístico de seis metros de altura. A arte está localizada no futuro bairro, loteamento Aparecida Garden. A obra chama a atenção por sua imponência e traz uma arte inovadora aos olhos dos visitantes. 

Assinada pelos artistas plásticos M. Cavalcanti e Felipe Cavalcanti, pai e filho, formaram uma dupla profissional inédita para desenvolver o monumento em aço. “Vai ser uma surpresa muito agradável, pois estará no meio do Cerrado, dentro de um bairro novo. Certamente, vai chamar muita atenção e vai mexer com toda a cidade”,  disse M. Cavalcanti.

Com inspiração piramidal e em cor amarela, os artistas trabalharam com o aço e contam que buscaram transmitir por meio das formas uma mensagem positiva para a cidade, que em 2022 chegou a seu centenário.  “Foi um processo criativo composto por silêncio e diálogos. Para mim, ela é como uma seta para o céu, passa uma mensagem de que existe algo mais acima de nós, uma esperança, um sonho a ser conquistado”, definiu Felipe Cavalcanti.

Continua após a publicidade

Desenvolvimento artístico do Estado 

Das artes plásticas, a escultura é uma das que mais estabelecem interação com o grande público. Isso porque, geralmente, elas são pensadas e produzidas com a finalidade de ocupar espaços públicos. Muitas vezes, as esculturas são também projetadas para acompanhar complexos arquitetônicos, com o objetivo de compor um conjunto artístico harmonioso.

As criações artísticas no espaço da cidade que nos falam da história do lugar ou que aportam algum elemento referente à vida dos cidadãos que convivem nele, são criações cada vez mais comprometidas com a realidade, valorizando o lugar e o receptor das obras e, por isso trabalham com temas intimamente relacionados com a identidade e cotidianidade do público, despertando importantes aportações sociais à consciência coletiva.

Para o sócio do empreendimento, Ricardo Coimbra, Aparecida de Goiânia assumiu o protagonismo de sua história, deixou de ser uma cidade dormitório para se tornar uma vedete da economia goiana. “E, com isso, a cena urbana precisa acompanhar essa evolução”, justifica.

Iniciativas como a que está acontecendo no Aparecida Garden é um incentivo para a arte continuar ativa no Estado, considera M. Cavalcanti. “Para nós, artistas, é uma grande satisfação participar desse projeto, que leva arte para um bairro popular, em uma região nova da cidade. A arte pública ajuda a compor o cenário das cidades, mas vai além da estética. Ela torna as cidades mais humanas porque desperta a sensibilidade, a reflexão e a imaginação de seus moradores”, salientou.

Veja Também