Rotina e saúde mental

Em tempos de Metaverso, realidade virtual ganha espaço no tratamento em casos de medos, fobias e ansiedade

Postado em: 09-07-2022 às 09h21
Por: Rodrigo Melo
Dra. Marihá Lopes é psicóloga clínica especialista em terapia cognitivo-comportamental

Acordar, se arrumar, tomar o café da manhã e sair para ir se exercitar na academia. Depois, pegar o transporte para o trabalho e permanecer por lá durante horas ao longo do dia. A maioria da população já retomou essa rotina ao qual estava acostumada antes da pandemia de Covid-19, no entanto, para uma grande parcela, basta lembrar dela para começar a suar, sentir o coração acelerar e até mesmo perder o sentido.

Para essas pessoas, no mundo real, passar por tudo isso seria muito perigoso. No entanto, em um espaço seguro, controlado, com o acompanhamento de um profissional ao lado e sem riscos físicos, quem sofre de transtornos da ansiedade, como as fobias, pode se beneficiar, e muito, de uma experiência desenvolvida inicialmente para o entretenimento: a realidade virtual (RV).

A primeira utilização da tecnologia para esses fins foi em 1997, quando pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, realizaram um estudo com 10 veteranos de guerra traumatizados que não haviam sido beneficiados pelas terapias convencionais. O programa, chamado Vietnã Virtual, expunha os ex-soldados a situações realistas que eles haviam vivenciado décadas antes, na guerra contra o país asiático. 

Continua após a publicidade

Com o headset de RV na cabeça, eles voltavam às selvas vietnamitas ou à cabine de um Huey, o célebre helicóptero dos marines utilizado nesse conflito. Enquanto o terapeuta manipulava o software, intensificando, por exemplo, os sons de batalha, os pacientes narravam seus traumas. Para quem nunca passou por essa experiência real, a sensação é de estar em um jogo, mas, para eles, ia muito além do virtual. O tratamento durou um mês, ao fim do qual os 10 voluntários demonstraram melhora no quadro. A partir daí, foram iniciados mais testes, com número maior de participantes, tratados nos mais diversos cenários, simulando situações distintas.

Pioneira no tratamento de fobias com RV no Brasil, a psicóloga Dra. Marihá Lopes utiliza a tecnologia há cerca de cinco anos. Ela destaca a importância da ferramenta, mas ressalta que o seu papel é complementar e precisa ser feito com acompanhamento adequado. “O trabalho feito com a realidade virtual amplia a atuação da técnica chamada dessensibilização sistemática. Esta possui o propósito de criar uma hierarquia de exposição junto com o cliente e ir avançando conforme for havendo melhoras e diminuição da ansiedade”, explica a psicóloga clínica.

A tecnologia utilizada pela psicóloga consiste numa plataforma online que disponibiliza mais de 30 situações que despertam a fobia e a ansiedade e um headset, por onde passam os casos.

De acordo com a psicóloga, a tecnologia possibilita inserir a pessoa nas situações das quais ela possui medo ou que ativem sua ansiedade, como, por exemplo, ficar em ambientes fechados e viajar de avião, casos mais recorrentes entre as pessoas que a procuram. Com a Realidade Virtual, o paciente passa por todas as etapas que faria de verdade, como aguardar o táxi em casa, a caminho do aeroporto, no portão de embarque e dentro da aeronave.

“Em cada uma dessas etapas, é possível adicionar agravantes, como a turbulência durante o voo. O diferencial é a possibilidade de colocar a pessoa em uma situação preexistente de forma segura e prática”, ressalta. (Especial para O Hoje) 

Veja Também