Entenda luta da rapper Dani Nega

Toda a equipe do clipe é formada em sua maioria por mulheres e corpos dissidentes

Postado em: 29-07-2022 às 08h50
Por: Lanna Oliveira
A invisibilidade e marginalização de mulheres lésbicas por homens héteros cis |Foto: José de Holanda

As mulheres tomaram o rap pra si, fato. Isso gera uma expansão nas diversas possibilidades de temas, sonoridades e posicionamentos. Dani nega é uma dessas representantes, que surgem para falar sobre empoderamento feminino na luta pela existência de corpos dissidentes. A rapper, em parceria com Ellen Oléria acaba de lançar o single ‘Sai Boy’, disponível em todas as plataformas digitais de áudio e vídeo. Acompanhada de clipe, a música é o segundo single de sua carreira solo.

A invisibilidade e marginalização de mulheres lésbicas por homens héteros cis que acreditam que elas sentem falta da presença afetiva masculina, por isso são lésbicas. Esse é o ponto de partida de ‘Sai Boy’, novo single da rapper Dani Nega. Acompanhada de clipe, a música é o segundo single de sua carreira solo e conta com a participação especial da cantora, musicista, compositora e atriz Ellen Oléria. A música é um grito de resistência pela liberdade de serem quem são nos lugares onde mais desejam estar.

“É um pedido de respeito, um basta aos boys sem noção. Uma luta pela existência de corpos dissidentes. ‘Sai Boy’ nasce da voz das mulheres cis e trans lésbicas invisibilizadas pelo machismo e apagamento nas vias de comunicação e engajamento social. Ao pensar na mulher preta e sapatão, existem muitos preconceitos que chegam antes da fala e aproximação das mesmas. São preconceitos sobre sutilezas, aparência física, comportamento, autocuidado”, explica a rapper Dani.

Continua após a publicidade

Ela continua fazendo um alerta, de que até mesmo hábitos de higiene são, muitas vezes, mitificados ao falar de mulheres lésbicas, especialmente as de pele negra retinta. “As mesmas muitas vezes são vistas sob um limitador olhar de masculinização generalizada, excluindo a humanidade, pluralidade e o direito ao cuidado e afeto nas esferas sociais, profissionais e até mesmo em espaços íntimos como na família e nas parcerias afetivas”, fala Dani sobre sua perspectiva.

Dani Nega é atriz, MC, compositora e ativista do movimento negro e LGBTQI+. Mestra de cerimônia com voz suave, precisa e irônica. Ela foi premiada, ao lado do produtor e músico Felipe Julian (Craca), no 28˚ Prêmio da Música Brasileira como melhor Álbum Eletrônico e atualmente se apresenta em vários pontos culturais e festivais pelo País. Depois de longa e frutífera parceria com o DJ Craca, Dani Nega segue solo em seu novo trabalho autoral.

Sobre o clipe, ela revela que ele nos convida para a celebração diária do empoderamento feminino. “O clipe apresenta ao fundo cores e luzes das bichas pretas e sapatão que cada vez mais toma para si os espaços políticos e midiáticos para que o pedido de respeito vire uma ordem”, destaca a rapper. As personalidades das cantoras saltam em suas roupas, vozes, objetos e cores. Além de Ellen Oléria, a dançarina Malu Avelar também participa da produção que conta com a direção e montagem da cineasta Cibele Appes.

Veja Também