‘Até que ponto a sexualidade é maior que o amor?’

‘O Jogo de Uma Traição’ retrata triângulo amoroso vivido pelo marido, a esposa e a amante

Postado em: 10-05-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
‘O Jogo de Uma Traição’ retrata triângulo amoroso vivido pelo marido, a esposa e a amante

GABRIELLA STARNECK*


O espetáculo O Jogo de Uma Traição, adaptação da obra Play, de Samuel Beckett, será exibido, de quinta (10) a sábado (12), no Ponto de Cultura Novo Ato, em Goiânia. A peça, que retrata um triângulo amoroso vivido por marido, esposa e a amante, objetiva “mostrar até que ponto o jogo de uma traição pode transformar a vida das pessoas, e transformá-las em boas ou más”, como afirma o encenador Antônio Delgado Filho.

Continua após a publicidade

Nessa difícil relação, os personagens confidenciam, por meio de memórias, suas experiências mais angustiantes de ciúmes, infidelidades, amor, remorsos, intrigas, decepções e traições. Delgado Filho instituiu a base da cenografia para esta montagem teatral ao propor uma grande tela iluminada, como em uma galeria de arte, onde os atores participariam de sua composição, superpondo suas cabeças as cabeças pintadas na tela. As personagens dão vida à composição de um quadro inspirado nos traços do artista plástico Carlos Sena.


Espetáculo

O Jogo de Uma Traição é uma adaptação livre do texto Play, de Samuel Beckett – dramaturgo e escritor irlandês, amplamente considerado um dos escritores mais influentes da segunda metade do século 20 – realizada pelo Grupo de Theatro Arte e Fogo com contribuições de Marilia Ribeiro, Luiz Cláudio, Sheila Cardoso e revisão final de Mauri de Castro. 

Segundo o Delgado Filho, a obra de Samuel foi escolhida, porque o autor fala em seus trabalhos da busca por questões interiores: “Nesse mundo em que as pessoas não estão comprometidas com as relações, em que há falta de afeto e amor, torna-se relevante falar a respeito desse jogo da traição. Como fica o sentimento das pessoas envolvidas nessa relação amorosa? Além disso, a história é universal, já que traição existe não só no Brasil, mas provavelmente em todos os países”. 

Delgado ainda conta que a diferença entre a obra original e o texto adaptado é a forma como o humor é abordado: “Na obra de Samuel Beckett, escritor irlandês, o humor é mais sarcástico, mas nós tentamos fazer algo mais leve. O objetivo do espetáculo é levantar algumas reflexões como: ‘Até que ponto a sexualidade é maior que o amor?’ ‘É só o prazer ou a relação tem que ter algo a mais?’.

Adaptado a dramaturgia, o gênero teatral será a comédia, a concepção de linguagem será o teatro do absurdo e a estética da peça Surrealista. “A gente tenta buscar aquilo que foge dos padrões convencionais. No espetáculo, por exemplo, três pessoas ficam com as cabeças de fora de uma tela conversando sobre o jogo da traição, a emoção toda precisa ser passada por meio das faces. Isso é uma característica do teatro do absurdo, pois leva o espectador a se questionar: isso realmente é absurdo ou não?”, afirma o encenador do espetáculo. 


Dificuldades

Delgado afirma que uma das dificuldades encontradas na estruturação do espetáculo está ligada à encenação: “O grande problema é que o ator é corpo; quando ele fala, os membros acompanham. Aí, de repente, você coloca o artista no banco, sem poder se comunicar por meio de gestos corporais, mas apenas pela face e pela entonação da voz. Então os interpretes precisaram redescobrir os seus rostos. Inclusive nós trabalhamos muito com os músculos da face e com essa partitura gestual do rosto”. 


Samuel Beckett

O escritor irlandês foi um dos fundadores do teatro do absurdo e é considerado um dos principais autores do século 20. Sua obra foi traduzida para mais de trinta idiomas. Beckett nasceu numa família burguesa e protestante  em 1927. A partir de 1945, o seu idioma literário passou a ser o francês. Entre 1951 e 1953 escreveu uma trilogia (Molloy, Malone Morre e L’Innommable), cujo tema é a solidão do homem. Esperando Godot é um dos seus textos mais famosos.

Beckett ainda escreveu diversas peças, como Fim de Festa, Ato sem Palavras e Os Dias Felizes; poemas e textos em prosa, como romances, novelas, contos e ensaios, além de escritos para teatro, cinema, rádio e televisão. Em 1969, ele ganhou o Prêmio Nobel de Literatura. Samuel Beckett morreu em 1989, cinco meses depois de sua esposa. Foi enterrado no cemitério de Montparnasse.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação 

da editora Flávia Popov


SERVIÇO

Espetáculo ‘O Jogo de Uma Traição’

Quando: de quinta-feira (10) a sábado (12) –  além dos dias 17,18,19 de maio

Onde: Ponto de Cultura Novo Ato (Rua Dr. Sebastião Fleury Curado, 193, Qd. 24 Lt. 18-5, Setor Crimeia Leste – Goiânia) 

Horário: 20h30

Entrada gratuita 

Veja Também