“O DEM e o PSL juntos têm aquilo que nós sabemos: espírito público, garra e coragem”, diz Caiado

Governador goiano ainda afirma que Brasil tem ‘jeito’, ‘rumo’ e ‘união e vitória’

Postado em: 06-10-2021 às 16h46
Por: Maria Paula Borges
Governador goiano ainda afirma que Brasil tem ‘jeito’, ‘rumo’ e ‘união e vitória’ | Foto: Reprodução

As executivas do Democratas (DEM) e do Partido Social Liberal (PSL) aprovaram a fusão para a criação do partido União Brasil, nesta quarta-feira (06/10), que ainda precisa ser aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A nova sigla tende a ter a maior bancada da Câmara dos Deputados, e visa ter acesso à maior fatia do fundo eleitoral. O partido já nasce com poder de alterar o xadrez eleitoral para as disputas estaduais de 2022.

De acordo com Antônio Rueda, vice-presidente do PSL, o União Brasil nasce com 83 deputados, além de 12 nomes nas disputas estaduais, sendo 8 senadores e 4 governadores. Apesar do número elevado, a sigla deve sofrer baixas de parlamentares, principalmente aqueles alinhados ao presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido). O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) não compareceu à convenção, entretanto outros quatro ministros do governo foram ao evento.

Na divisão dos cargos de direção, a presidência do partido e a tesouraria foram entregues ao PSL, e a secretaria-geral ao DEM. As negociações aconteciam há dois meses, mas foram confirmadas hoje no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. Os dirigentes das siglas se reuniram a fim de deliberar sobre a fusão e, posteriormente, fazer a primeira convenção juntos no salão chamado de Planalto. No que se refere ao DEM, o ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, votou contra uma vez que defendia que o partido decidisse o candidato que apoiará para presidente nas eleições de 2022.

Continua após a publicidade

A fusão entre DEM e PSL provavelmente irá alterar xadrez eleitoral para as disputas estaduais do ano que vem. A estrutura transformou um fator de atração para quem pretende concorrer aos governos locais e dirigentes planejam ter de 10 a 12 candidatos. Nesse caso, entram nomes que anteriormente pretendiam disputar a eleição pelo DEM, como Ronaldo Caiado, em Goiás.

Para Caiado, a nova sigla poderá trazer melhoria para o país por meio dos membros experientes. “O Democratas e o PSL juntos hoje têm aquilo que nós sabemos: espírito público, determinação, garra e coragem. Para nós sabermos o que o Brasil deseja. O Brasil tem jeito. O Brasil tem rumo. O Brasil tem união e vitória”, disse.

Veja Também