Metalúrgica brasileira desenvolve a primeira bateria de nióbio para carros elétricos

Postado em: 14-10-2021 às 17h18
Por: Giovana Andrade
Projeto é desenvolvido em parceria com a Volkswagen, que será responsável por implantar as baterias em ônibus elétricos; benefícios incluem menor tempo de recarga e maior autonomia aos veículos. | Foto: Divulgação/VWCO

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) e a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) fizeram um acordo para desenvolver e produzir baterias de nióbio para veículos elétricos de grande porte. Com elas, os automóveis serão recarregados em menos de dez minutos e terão maior autonomia. 

O projeto, resultado de mais de três anos de pesquisa em parceria com a Toshiba, no Japão, une a Volkswagen, que será responsável pelo funcionamento dessas baterias em cada veículo, à maior empresa no ramo do nióbio do mundo.

O nióbio é um metal usado para dar liga e resistência ao aço, muito utilizado na indústria para a produção de supercondutores — canais que conduzem eletricidade sem resistência. As baterias de lítio tradicionais apresentam um polo negativo chamado ânodo, que usa o carbono para transferir energia.

Nas novas baterias desenvolvidas pela VWCO e pela CBMM, o carbono será trocado por óxido de nióbio, aumentando a transferência de eletricidade, reduzindo o tempo de recarga e proporcionando maior segurança e durabilidade para as células das baterias.

Segundo a Volkswagen, os ônibus elétricos produzidos pela própria empresa serão os primeiros a utilizar o material, já que esses veículos maiores contam com trajetos preestabelecidos e necessitam de carregamento rápido. A Toshiba já atua no desenvolvimento das pilhas, que devem ficar prontas ainda neste ano.

Por sua vez, a Volkswagen, que deve começar os testes no ano que vem, prevê que um modelo funcional de veículo elétrico equipado com as baterias de nióbio esteja pronto até o final de 2022. Neste período, a VWCO vai analisar os dados e conduzir os estudos da aplicação nos veículos. Além disso, a empresa será responsável pela infraestrutura de recarga, preparação de motoristas e orientações de segurança.

Inicialmente, as pesquisas serão focadas em veículos comerciais, mas é possível que, no futuro, o nióbio seja utilizado para compor células de baterias destinadas a carros elétricos particulares.

Compartilhe: