Trava de segurança de montanha-russa em movimento solta na mão de visitante, no Hopi Hari

Postado em: 13-12-2021 às 15h43
Por: Maria Paula Borges
Vídeo mostra visitantes com as mãos para cima em formato de “X”, protocolo utilizado para solicitar a parada da atração | Foto: reprodução

A trava de segurança de uma montanha-russa do parque de diversões Hopi Hari, em São Paulo, soltou na mão de uma pessoa quando ele já estava em cima do brinquedo. A atração em questão é a Montezum e o caso aconteceu no último sábado (11/12).

Um vídeo mostra os visitantes dentro do carrinho do brinquedo, muitos com as mãos para cima em formato de “X”, protocolo utilizado pelo parque quando alguém solicita a parada da atração. As imagens mostram ainda um homem que levanta a trava de segurança, totalmente solta.

Veja vídeo abaixo.

Em nota, o parque afirmou que, logo após o início do ciclo, o visitando sinalizou a parada e que o ciclo foi interrompido imediatamente. “A despeito da parada técnica ocorrida no sábado, 11 de dezembro, na montanha russa (Montezum), o Parque Temático Hopi Hari informa que, logo após o início do ciclo, ainda no princípio da primeira subida da atração, o visitante sinalizou a necessidade de parada, fazendo o sinal de X com os braços acima da cabeça (protocolo utilizado em todas as atrações do Parque, quando um visitante, por alguma razão, solicita a parada do brinquedo), imediatamente, a equipe responsável pela operação suspendeu o ciclo, e iniciou a análise da ocorrência”.

Além disso, o Hopi Hari informou que o protocolo em caso de parada técnica foi iniciado até que todos os visitantes fossem desembarcados e os assentos foram inspecionados. Segundo eles, o brinquedo não foi reaberto no dia, apenas no dia seguinte.

Segundo a nota, o parque mantém as inspeções antes da liberação aos visitantes. “O Hopi Hari ressalta que mantém as inspeções diárias na atração antes da liberação aos visitantes e, durante toda a operação, os atendentes realizam a dupla checagem das travas e cintos de segurança, antes da liberação do ciclo operacional. E, ainda, inspeções semanais, mensais, anuais e auditoria independente externa, que fazem parte do protocolo de manutenção preventiva das atrações do Parque”, destaca.

Em fevereiro de 2012, uma jovem de 14 anos, Gabriela Nischimura, morreu no Hopi Hari após se soltar da cadeia da torre, um brinquedo de aproximadamente 70 metros de altura. No acidente, a jovem caiu no chão e o parque enfrentou uma crise que levou à troca no comando. Um novo grupo assumiu a administração do local em meio à um processo de recuperação judicial milionário.

Compartilhe: