Levantamento aponta que Bolsonaro bloqueou 83 jornalistas e sete veículos de comunicação

Postado em: 13-01-2022 às 17h01
Por: Almeida Mariano
De 315 registrados, 291 foram realizados integrantes e apoiadores do atual governo. | Foto: Reprodução

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) contabilizou que até o início de janeiro, 315 profissionais de imprensa registraram terem sofrido bloqueios no Twitter. Do total de bloqueios registrados, 291 foram realizados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), seus filhos, ministros, secretários especiais de Estado, e parlamentares que compõem a base de apoio do atual governo. Bolsonaro lidera a lista, tendo bloqueado 83 jornalistas e oito veículos de comunicação, entre eles O Hoje.

De acordo com jornalistas ouvidos pela Abraji, eles teriam sido bloqueados por criticar Bolsonaro, por sua atuação como profissional de imprensa ou sequer sabem o motivo do bloqueio. Além de jornalistas, o perfil de Bolsonaro bloqueou sete veículos de comunicação, sendo eles: The Intercept Brasil, DCM, Aos Fatos, Congresso em Foco, Repórter Brasil, O Antagonista e Brasil de Fato.

Uma campanha lançada em conjunto entre a Abraji e o site Congresso em Foco em maio do ano passado, a plataforma Bolos Antiblock contabilizou 559 bloqueios de autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário contra cidadãos brasileiros. Do total de bloqueios realizados, 12,5% (70) são motivados por “manifestar opinião contrária”, 11,3% (63) não tiveram a razão identificada e 9,8% (55) por fazer críticas à conduta ou à gestão. Segundo o levantamento, os jornalistas são quem mais recebem bloqueios, atingindo 18% (101) dos dos casos.

Compartilhe: