Criança goiana é uma das 1.449 que morreram de Covid-19 desde o início da pandemia

Postado em: 20-01-2022 às 18h22
Por: Almeida Mariano
O garoto, de 8 anos, ainda não tinha sido vacinado contra a covid-19. Foto: Reprodução

O filho e neto de professores da UFG que morreu na última quarta-feira (19), em decorrência da Covid-19 é uma das 1.449 crianças, entre meninos e meninas de até 11 anos, que faleceram devido ao vírus.  O garoto, de 8 anos, ainda não tinha sido vacinado contra a covid-19. 

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil já soma 1.449 mortes de meninos e meninas de até 11 anos em decorrência do novo coronavírus e mais de 2.400 casos da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) associada à Covid-19, conjunto de sintomas graves que podem levar à morte, desde o início da pandemia.

Gael Oliveira Clímaco, de 8 anos, era filho do professor da Universidade Federal de Goiás, Humberto de Assis Clímaco, neto de José César Teatini de S. Climaco, professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG, e da professora Arlene Carvalho de Assis Clímaco da Faculdade de Educação. O garoto  tinha distúrbios neurológicos e estava internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com graves problemas respiratórios. Gael ainda não havia se vacinado.

Perguntas sobre a vacinação em crianças

A Prefeitura de Goiânia reuniu as principais dúvidas sobre a vacinação contra a Covid-19 das crianças na capital e os questionamentos feitos pelos pais e responsáveis foram respondidos pelo secretário municipal de Saúde, Durval Pedroso.

1) Crianças de qual faixa etária podem ser vacinadas contra a Covid-19 em Goiânia? – No Brasil, o imunizante da Pfizer foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos. A aplicação da dose pediátrica do imunizante segue calendário e, atualmente, tem doses disponíveis para as crianças de 10 anos que moram na capital. O grupo será ampliado conforme chegarem novas doses.

2) Somente os pais podem levar as crianças para vacinar? – Os pais podem preencher uma autorização para que outras pessoas (tio, avós, etc) acompanhem a criança. O documento está disponível no site da Prefeitura de Goiânia .

3) O que é preciso levar ao ponto de vacinação? – É preciso apresentar o Cartão de Vacinas, documentação pessoal da criança  (RG, CPF ou Cartão SUS) e comprovante de endereço.

4) A vacina contra a Covid-19 pode ser administrada concomitante a outras vacinas do calendário infantil? – Seguindo orientação de Nota Técnica, as doses não serão administradas junto com outras vacinas do calendário infantil, sendo recomendado, por precaução, um intervalo de 15 dias.

5) Como saber se a vacina aplicada é a pediátrica? – A vacina aplicada nesse público é diferente e é muito fácil confirmar pois a tampinha do frasco é laranja, indicando que essa é a vacina para crianças. Os profissionais de saúde devem mostrar ao responsável que acompanha a criança que se trata da vacina contra a Covid-19, frasco na cor laranja, específica para crianças entre 5 a 11 anos.

6) Crianças também precisam tomar a segunda dose? – Sim. “A vacina contra a Covid-19 é nova e cada vez mais as doses são feitas para garantir a segurança das pessoas. Por isso, as crianças também vão tomar a segunda dose”, explica o secretário municipal de saúde, Durval Pedroso.

7) A vacina ocasiona reações em crianças? – Toda vacina pode causar algum tipo de reação como dor, inchaço, febre, dor de cabeça e calafrios. Os pais ou responsáveis devem procurar atendimento médico caso a criança apresente alguma reação inesperada. Durval destaca que a rede municipal está preparada para atender prontamente às crianças neste caso.

8) A vacina traz riscos às crianças? – A vacina foi testada, é segura e eficaz na prevenção da forma grave e potencialmente fatal da doença. “A vacina que as crianças estão recebendo é segura, eficaz, tem comprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e salva vidas”, afirma Durval Pedroso.

9) A vacina impede que as crianças sejam contaminadas com a Covid-19? – Não. A vacina protege contra as formas graves da doença. Ainda pode acontecer de a criança ser contaminada, mas será uma doença mais branda, que não vai colocar a vida dela em risco. Por isso é tão importante vacinar.

10) Após a vacinação, as crianças podem deixar de usar máscara? – A máscara é uma proteção a mais no combate à Covid-19. Após receber o imunizante ela ainda é necessária, assim como a higienização correta das mãos e todo os cuidados.

Compartilhe: