Meteorologista explica o causou chuva de 250mm em cerca de 3 horas na região serrana do Rio

Em alguns locais da região serrana do Rio de Janeiro choveu em poucas horas o que era esperado para todo o mês de fevereiro.

Postado em: 17-02-2022 às 10h43
Por: Ícaro Gonçalves
Em alguns locais da região serrana do Rio de Janeiro choveu em poucas horas o que era esperado para todo o mês de fevereiro | Foto: Reprodução

Até a manhã desta quinta-feira (17/2), a Defesa Civil do estado do Rio de Janeiro já registrou 104 pessoas mortas pelos deslizamentos ocorridos na cidade de Petrópolis. Desde terça-feira (15) a cidade tem sofrido com fortes tempestades, que chegaram a 250 milímetros de água em cerca de 3 horas em algumas regiões. Outras 134 pessoas permanecem desaparecidas.

As imagens da tragédia ganharam o Brasil. Em uma cena gravada por moradores locais é possível ver algumas pessoas tentando se salvar em cima de dois ônibus, que são arrastados pela enxurrada. Em outras imagens, diversos veículos são vistos totalmente destruídos no leito do rio.

Continua após a publicidade

A grande quantidade de chuva impressiona. Em alguns locais da região serrana do Rio de Janeiro choveu em poucas horas o que era esperado para todo o mês de fevereiro. Em entrevista por telefone ao jornal O Hoje, o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Olivio Bahia, afirmou que o fenômeno ocorreu por uma conjunção de diferentes fatores.

“Ao menos três fatores combinados foram responsáveis pela tragédia em Petrópolis. Primeiro, pelo período quente e de alta umidade, característico do verão, que é propício às chuvas fortes. Outro fator é a massa de ar frio que circula na média e alta atmosfera na região Sudeste do país. Os ventos frios dessas regiões altas, quando se chocam com o ar quente da baixa atmosfera, causam grande instabilidade climática, o que favorece as chuvas fortes”, afirmou Olivio.

Por fim, o meteorologista destaca o fator geográfico da região. “A topografia da região Sudeste do Rio de Janeiro é caracterizada por montanhas. Quando os ventos que sobram do oceano em direção ao continente se chocam com essas montanhas, eles são jogados para cima, instabilizando as nuvens e potencializando as chuvas. Além disso, o terreno montanhoso aprisiona as chuvas em regiões específicas”, disse Olivio.

Veja Também