YouTube proíbe Monark de lucrar com vídeos e criar novos canais devido falas sobre nazismo

O youtuber reclamou nas redes sociais que a "liberdade de expressão morreu"

Postado em: 18-02-2022 às 14h14
Por: Augusto Sobrinho
O youtuber reclamou nas redes sociais que a "liberdade de expressão morreu" | Foto: Reprodução

O ex-apresentador do “Flow Podcast” Bruno Aiub, mais conhecido como Monark, que deixou o programa após fazer apologia ao nazismo, retornou aos assuntos mais comentados das redes sociais, nesta sexta-feira (18/02). Desta vez, o youtuber reclamou no Twitter que a “liberdade de expressão morreu”, após ser proibido de lucrar com vídeos antigos e criar um novo canal no YouTube.

Segundo Monark, ele está sofrendo perseguição politica do YouTube Brasil. “Eles me proibiram de criar um novo canal para poder continuar minha vida, pessoas poderosas querem me destruir. Liberdade de expressão morreu”, escreveu no Twitter. Além disso, compartilhou trecho da nota da plataforma dizendo que as falas sobre nazismo violam as políticas de conteúdo, confira:

Continua após a publicidade

Monark foi demitido dos Estúdios Flow após polêmica sobre um possível partido nazista no Brasil. Durante bate-papo com os parlamentares Kim Kataguiri (Podemos) e Tábata Amaral (PSB), no programa Flow Podcast, o apresentador afirmou ser favorável à existência do partido, entretanto, o episódio recebeu diversas críticas nas redes sociais e de entidades que representam o povo judeu.

O apresentador começou dizendo que a “esquerda radical tem muito mais espaço do que a direita radical” e, na sua opinião, “as duas tinham que ter espaço”. Por isso, ele acredita que “tinha que ter partido nazista reconhecido pela lei”, afirmou. Porém, diversos internautas criticaram a fala de Monark, que também foi repreendido pela Confederação Israelita do Brasil (CONIB) e a Federação Israelita de SP.

Veja Também