Após polêmicas, vereador carioca perde patrocínio de nove empresas nas redes sociais

Postado em: 31-03-2022 às 13h29
Por: Augusto Sobrinho
Organização está encabeçando campanha para desmonetizar as publicações de Gabriel Monteiro (PSD) | Foto: Reprodução

Uma organização liberal de ativistas digitais está realizando uma campanha nas redes sociais para empresas retirarem patrocínios dos perfis do vereador do Rio de Janeiro, Gabriel Monteiro (PSD). No twitter, a hashtag #DesmonetizaGabrielMonteiro já recebeu apoio de nove companhias, que não desejam ter suas marcas associadas à “desinformação e ao discurso de ódio”.

O parlamentar, que tem cerca de 6 milhões de seguidores no Youtube e 6,9 milhões no Facebook, está sendo investigado por assédio sexual contra cinco servidores e ex-funcionários. Além disso, ele teve cinco vídeos íntimos vazados, em que três mulheres demonstram que não queriam ser gravadas, e em um deles o ato sexual era praticado com uma jovem de 15 anos.

No último domingo (27), o Fantástico da TV Globo mostrou imagens que mostram o vereador instruindo uma criança a falar que estava com fome. Segundo a Sleeping Giants Brasil, que está encabeçando a campanha contra o vereador, o vídeo comprova que Gabriel “forjava” os conteúdos para conseguir engajamento e, com isso, atrair mais monetização para as publicações.

Com 60.326 votos, Gabriel Monteiro foi o terceiro vereador mais votado do Rio e acumula postagens com até 50 milhões de visualizações. Entretanto, após ser alvo de uma série de acusações e polêmicas, o movimento contra o financiamento de discursos de ódio e de fake news já recebeu apoio da Jeep, InfitePay, Nubank, Oi, Buser, Estácio, Clickup, Shopee, Empericus.

Não basta tirar as principais, que dão lucro e elas irem sendo substituídas por outras. O objetivo é conseguir o maior número possível. Quanto mais ele produzir mais vai ganhar. Nossa lógica é desmonetizar o conteúdo, para que ele pare de ganhar dinheiro com isso”, explica o diretor jurídico da Sleep Giants Brasil, Leonardo Leal, em entrevista ao jornal Extra.

No total, a organização entrou em contato com 15 empresas, que foram identificadas anunciando nas redes sociais do vereador. Entre as que já retiraram os patrocínios, o principal argumento é que não estão de acordo com os conteúdos. “O canal não está de acordo com os valores da Shopee e nosso time de mídia já foi acionado para pausar os posicionamentos automáticos dos nossos anúncios”, publicou.

Compartilhe: